Ottomar e os bois que voam. Meninos, eu vi

By Luiz Valério quarta-feira, 30 de junho de 2010
O palanque do PSDB/PMDB reuniu ex-desafetos políticos como Márcio Junqueira e Teresa Jucá, Berinho Bantim e Édio Lopes, Marluce Pinto e Romero Jucá. Acreditem, tudo em nome do futuro de Roraima - Foto: France Teles
 
Meus @migos,

Com um certo atraso, escrevo sobre a convenção do PSDB e dos partidos coligados ontem no Centro de Tradições Gaúchas (CTG). Eu estive lá e vi como a política aqui, mais que em qualquer outro lugar, é "dinâmica" e #safadinha.

Ouvi - quem diria - a ex-primeira-dama Marluce Pinto tecer loas ao senador Romero Jucá (PMDB). Ouvi o deputado federal Márcio Junqueira (DEM), que num passado recente bradava descomposturas contra a ex-prefeita Teresa Jucá (PMDB), tecer elogios a hoje candidata a deputada federal toda solícita com o casal Anchieta.

@migos, ouvi dezenas de vezes o nome de Ottomar Pinto - um político que em vida foi a personificação do populismo e do assistencialismo - ser citado como uma ícone da política, capaz de alavancar votos para candidatos desesperados por um lugar à sombra do poder.

Ouvi muito e ri muito, porque como cronista do cotidiano, a mim me interessa esses fatos pitorescos que revelam quanto o ser humano é adaptável ou se rende às conveniências do momento, a depender do quinhão de poder que esteja em jogo.

Do governador Anchieta Júnior (PSDB), ouvi uma espécie de recado cifrado [ou nem tanto assim] sobre a possibilidade de Neudo Campos não sair candidato ao governo [coisa que tenho afirmado desde o início das eras]. "Se alguém não conseguir sair candidato por complicações jurídicas, não venha culpar este grupo", disse o governador.

Meus ouvidos críticos e abelhudos também ouviram Marluce Pinto se comparar a Joana D'Arque. Quanta heresia! Vi um palanque composto por ex-desafetos e ex-adversários políticos todos se confraternizando em nome de projetos de poder disfarçados de preocupação com o futuro de Roraima.

Reconheci o rosto de muitos servidores de cargos comissionados batendo palmas e se acotovelando para serem vistos pelo chefe maior.

Ouvi juras de amor e fidelidade, que parecem aquelas feitas por esposa infiel à moda das mostradas nas novelas globais, pois basta uma primeira oportunidade para que a jura de fidelidade se transforme em traição.

Mas assim será a composição do cenário político para as próximas eleições. No palco estará em atuação um elenco de atores e atrizes - de um e de outro lado - se esforçando para encenar bem seu papel, com o objetivo de inspirar confiança no eleitorado.

Os primeiros capítulos da novela eleitoral estão sendo concluídos, daqui a pouco entraremos no auge da trama onde protagonistas e antagonistas se revezarão em cena até que se chegue ao final com vencedores e vencidos definidos.

Que os derrotados dessa trama não sejam os eleitores. Assim espero.

Luiz Valério

Sou Jornalista e blogueiro. Há 20 anos cubro o mundo político, boa parte desse tempo escrevendo em blogs na Web. Moro em Roraima há 15 anos. Já desenvolvi vários projetos na área do jornalismo. Apaixonado por tecnologia, tenho especialização na Área. Agora nos encontramos por aqui.

No Comment to " Ottomar e os bois que voam. Meninos, eu vi "

Obrigado por comentar aqui no blog
Os comentários neste blog são livres, sem moderação.
Aviso, no entanto, que ofensas, palavrões ou quaisquer expressões racistas ou discriminatórias serão apagadas sumariamente.
Para quem comentar com responsabilidade, este espaço estará sempre aberto. Críticas e sugestões para o autor serão bem-vindas.

OBS: Os comentários dos leitores não refletem necessariamente a opinião do autor do blog.