Sou jornalista porque ser provocador é um barato

By Luiz Valério terça-feira, 6 de julho de 2010
Uma leitora que se identifica como Karla deixou um comentário num texto escrito por mim há alguns meses sobre uma enquete feita pelo blog, da qual saiu vencedor o deputado federal Márcio Junqueira (DEM). Ela sugere que eu me candidate para resolver o problema dos maus políticos que são eleitos em Roraima.

A leitora Karla, simpatizante do parlamentar democrata, não gostou dos comentários que teci sobre a qualidade da representatividade política do deputado em questão, que tenho por dovidosa, no mínimo.

Outro dia, alguns colegas de ofício, que atuam como “penas de aluguel” governamental ou de raposas políticas locais, sugeriram a mesma coisa e me classificaram como revoltado no Twitter. Gosto do debate e respeito as opiniões divergentes.

Aliás, este blog foi criado com este objetivo: emitir minhas opiniões e fazer reflexões sobre as questões políticas e receber o feed back dos prováveis leitores.

Mas, a estes que sugerem que me candidate, só tenho uma coisa a dizer: o meu lugar é exatamente aqui, criticando, apontado os erros, cobrando lisura daqueles que entraram na política e usam o discurso de “trabalhar em benefício do povo”.

Quando, há 15 anos passados, decidi ser jornalista, tinha várias outras opções até mais rentáveis pela frente, pois minha capacidade intelectual me alçaria ao cargo público concursado ou na iniciativa privada que decidisse seguir.

Mas eu quis ser jornalista. Não sou obra do acaso. Sou jornalista por vocação, por decisão, por vontade própria. E eu não queria ser simplesmente só mais um escrevinhador manipulável. Eu queria ser uma pedra no sapato, queria incomodar, queria fazer um jornalismo reflexivo, analítico, crítico. Podem chamar de revoltado, se quiserem.

Gosto de praticar esse jornalismo provocativo, que não usa de meias palavras para não incomodar os donos do poder. Pelo contrário. Incomodo os que se acham donos do poder pela convicção que tenho de que esse poder pertence, na verdade, ao povo. “Todo poder emana do povo e para o povo e em seu nome será exercido”. (CF 1988)

Os pseudo-poderosos são apenas usuários/ocupantes de um poder outorgado pelos cidadãos. Então, me sinto confortável como provocador, como um homem de imprensa que procurar ir além da superfície dos fatos para tentar mostrar como esses fatos são construídos. Porque a verdade não está no que é dito pelos poderosos. A verdade está exatamente no que eles tentam omitir.

Por isso busco ir além das declarações. O emaranhado de acontecimentos e as causas e intenções que os provocam dizem muito mais do que o uso viciado dos verbos “dissendi”, como o vazio “disse”, o raso “declarou” e o impreciso “afirmou”, etc.

E como precisava de um lugar de maior flexibilidade para escrever o que penso ser mais elucidativo, criei este blog. Ninguém é obrigado a ler esta página. A quem vier aqui, agradeço. Mas venha sabendo que este é um espaço de expressão pessoal onde vão encontrar apontamentos nada comportados.

Como dizia o título de um filme antigo, o conteúdo desta página é “ardido como pimenta”. Se estiver afim de saborear, sirva-se à vontade.


Luiz Valério

Sou Jornalista e blogueiro. Há 20 anos cubro o mundo político, boa parte desse tempo escrevendo em blogs na Web. Moro em Roraima há 15 anos. Já desenvolvi vários projetos na área do jornalismo. Apaixonado por tecnologia, tenho especialização na Área. Agora nos encontramos por aqui.

2 comentários to ''Sou jornalista porque ser provocador é um barato"

ADD COMMENT
  1. Valério,
    Não te admiro por acaso, para mim vc é o que pode se classificar de jornalista de peso. Essa sua postura provocativa, inteligente e provocativa de tecer seus pensamentos realmente é um 'barato".
    Parabéns!
    Kátia Bezerra

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Katinha. Saiba que a recíproca é verdadeira e mais um pouco. rsrsrsrs. Gosto muito de saber que tenho uma leitura qualificada junto ao público feminino. Recebo sempre muitos comentários positivos vindo de colegas jornalistas. Isso é um incentivo que aumenta a certeza de estar fazendo algo que vale a pena.

    Beijo grande.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar aqui no blog
Os comentários neste blog são livres, sem moderação.
Aviso, no entanto, que ofensas, palavrões ou quaisquer expressões racistas ou discriminatórias serão apagadas sumariamente.
Para quem comentar com responsabilidade, este espaço estará sempre aberto. Críticas e sugestões para o autor serão bem-vindas.

OBS: Os comentários dos leitores não refletem necessariamente a opinião do autor do blog.