Browsing "Older Posts"

Deputado esclarece que tem nível superior

By Luiz Valério → segunda-feira, 31 de janeiro de 2011
Atualizado às 09h58 para fins de correção - Acabo de receber uma ligação do deputado Soldado Sampaio que esclareceu a este blogueiro ter nível superior, sim. O parlamentar de primeiro mandato disse que ingressou no Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Roraima (UFRR) em 1999 e se formou em 2007. No entanto, nunca foi pegar o certificado de conclusão. Informou que tem apenas uma declaração da instituição de ensino superior (IES) atestando a sua formação. "Eu não quis juntar a declaração aos documentos exigidos pelo TRE. O lapso foi meu", reconheceu. Ele também corrigiu o nome seu partido. Eu havia idefificado a sigla de forma errada no post "Cai nível de escolaridade dos deputados roraimenses". Repito: os dados foram pesquisados no site Políticos do Brasil, mantido pelo jornalista Fernando Rodrigues, no UOL.

Cai nível de escolaridade dos deputados roraimenses

By Luiz Valério →
Mais de um terço dos novos deputados estaduais que vão representar a população de Roraima nos próximos quatro anos tem apenas o Ensino Médio, conforme as informações prestadas ao Tribunal Regional Eleitoral pelos próprios, quando registraram sua candidatura em 2010. 

Nove dos 24 deputados não tem nível superior. Oito tem o Ensino Médio completo e um (Xingu) tem esse grau de escolaridade incompleto. Os outros 15 eleitos para compor o Poder Legislativo informaram ao TRE ter Ensino Superior Completo.

Assim, o número de parlamentares apenas com Ensino Médio na legislatura que se inicia no próximo dia 2 de fevereiro é superior ao da legislatura passada, quando três parlamentares tinham o Ensino Médio Completo, dois informaram à Justiça Eleitoral ter apenas o Ensino Fundamental Completo e outros dois disseram ter o Ensino Superior incompleto.

Veja quem tem nível superior ou apenas o Ensino Médio entre os parlamentares:

Mecias de Jesus (PR)Superior Completo
Rodrigo Jucá (PMDB)Superior Completo
Aurelina Medeiros (PSDB)Superior Completo
Marcelo Cabral (PPS)Superior Completo
Chico Guerra (PSDB)Superior Incompleto
Remídio Monai (PR)Ensino Médio Completo
Célio Wanderley (DEM) - Superior Completo
Jalser Renier (DEM)Ensino Médio Completo
Jean Frank (PMN)Ensino Médio Completo
Brito Bezerra (PP)Ensino Superior Completo
Naldo da Loteria (DEM)Ensino Médio Completo
Erci de Moraes (PPS)Ensino Superior Completo
Ionilson Sampaio (PSB)Superior Completo
Marcelo Natanael (PRB)Superior Completo
Angela Águida Portela (PSC)Superior Completo
Gabriel Pincaço (PSB)Ensino Médio Completo
Joaquim Ruiz (PV)Superior Completo
Chicão da Silveira (PDT)Ensino Médio Completo
Coronel Gerson Chagas (PRTB)Superior Completo
Flamarion Portela (PTC)Superior Completo
Diego Coelho (PSL)Ensino Médio Completo
George Melo (PSDC)Superior Completo 
Soldado Sampaio (PC do B)Ensino Médio Completo
Jane José Xingu (PSL) – Ensino Médio Incompleto  

PS – Os dados foram colhidos na página Políticos do Brasil, do portal UOL.

PS 1 - Corrigi o partido do deputado Soldado Sampaio, que estava errado na relação de parlamentares acima.

Um olhar sempre vigilante

By Luiz Valério → domingo, 30 de janeiro de 2011
Estava lendo agora a pouco a coluna Ombudsman, do jornal O POVO, de Fortaleza. Senti saudade de quando escrevia a Imprensa Urgente no Roraima Hoje. Penso que fazer crítica da mídia é extremamente salutar para o amadurecimento da própria mídia. Afinal, jornalismo é um serviço mantido por empresas privadas, mas de interesse público e que reflete diretamente nas decisões das pessoas no dia a dia. Por outro lado, num Estado em que os veículos de comunicação estão muito próximos, quando não atrelados ao poder, manter um olhar sempre vigilante é mais do que necessário. E essa observação serve pra todos, indistintamente. Inclusive para o Monte Roraima, jornal ao qual estou ligado hoje como secretário de Redação.

A força das cooperativas como alternativa de emprego

By Luiz Valério → sábado, 29 de janeiro de 2011
Deu na Agência Brasil:

"Cooperativas devem ser alternativa de trabalho para 3 milhões em 2011

Vinicius Konchinski
Repórter da Agência Brasil


São Paulo – As cooperativas e associações devem servir como alternativa de trabalho e renda para pelo menos 3 milhões de pessoas neste ano. Mesmo com a queda histórica do desemprego, empreendimentos da chamada economia solidária devem crescer em 2011 e ocupar cada vez mais trabalhadores interessados em participar da gestão de seus próprios negócios.


A previsão é de Fábio José Bechara Sanchez, secretário adjunto da Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), ligada ao Ministério do Trabalho. Segundo ele, dados preliminares de um levantamento que está sendo feito pela Senaes apontam um aumento de quase 100% na quantidade de pessoas ocupadas e também no número de iniciativas de economia solidária nos últimos quatro anos.


Na última pesquisa sobre o tema organizada pela Senaes, em 2007, existiam cerca de 22 mil organizações de trabalhadores coadministrando um negócio. Essas organizações ocupavam aproximadamente 1,6 milhão de pessoas, principalmente nos estados do Rio Grande do Sul, Ceará e da Bahia.

Já em 2011, além dos 3 milhões trabalhadores envolvidos nesses empreendimentos, a quantidade de iniciativas deve chegar a 40 mil. “Parcialmente, já dá pra ver que a economia solidária continua crescendo quantitativamente e qualitativamente”, diz Sanchez".


Leia a matéria completa aqui.

Comentário do editor: Trabalhar por conta próprio em regime de cooperativa pode ser uma boa saída para quem quer ser seu próprio patrão e ter mais autonomia na administração do seu tempo. Porém, requer esforço, dedicação, noção de mercado e compromisso com a qualidade do produto/serviço que se vai oferecer. O cooperativismo tem crescido em todo o mundo e é uma alternativa à saturação do mercado de trabalho em algumas áreas. Um bom planejamento e a escolha dos parceiros certos para começar um trabalho em regime de cooperativa são etapas que não devem ser ignoradas.

Romero Jucá afirma: "Iradilson Sampaio votou em mim"

By Luiz Valério → sexta-feira, 28 de janeiro de 2011
Jucá nega ser dono de um conglomerado de comunicação - Foto: Tiago Orihuela

O senador Romero Jucá (PMDB) foi o político mais vota nas eleições 2010 em Roraima com 118.841 votos. Há mais de 12 anos demonstra uma habilidade política incomum, mantendo-se como líder de sucessivos governos no Senado. Por estas razões, foi escolhido para ser o entrevistado da semana, dando sequência à série de entrevistas iniciada na semana passada com a senadora Ângela Portela (PT).

Na entrevista que segue, Romero Jucá fala da sua atuação no Senado. O parlamentar diz que sua prioridade é representar bem o Estado de Roraima perante o Brasil. Afirma que está aguardando a confirmação para ser líder da presidenta Dilma Rousseff. Jucá também nega que tenha havido qualquer estremecimento na sua relação com o prefeito Iradilson Sampaio (PSB), devido ao fato de terem subido em palanques diferentes no último pleito.

“A minha relação é a melhor possível com a Prefeitura e Boa Vista, que me apoiou nessa eleição, independente eu estar em outro palanque para governador. Recebi o voto dele [Iradilson Sampaio] e recebi o apoio dele. Tenho ajudado muito a Prefeitura. Sou o parlamentar que mais traz recursos para Boa Vista”, afirmou.


“Eu não tenho um conglomerado veículos de comunicação. Pessoas próximas a mim é que tem veículos de comunicação e me apóiam”.

Jucá aponta como alternativa para o desenvolvimento de Roraima o investimento não só na agricultura nem no agronegócio, mas também na agroindústria. Segundo ele, é preciso beneficiar os produtos agrícolas. “Nós temos que atrair outras indústrias, além das agroindústrias. Eu tenho lutado e defendido que a Suframa [Superintendência da Zona Franca de Manaus] precisa se espalhar pela Amazônia ocidental”, diz. Confira a entrevista a seguir:


MR - O senhor tem um conglomerado de veículos de comunicação em Roraima. O fato de ser do mesmo partido do presidente do Senado, José Sarney, e sua influência em Brasília como líder do governo facilita a consecução de concessões?

Jucá - Eu não tenho um conglomerado veículos de comunicação. Pessoas próximas a mim é que tem veículos de comunicação e me apóiam. Tenho procurado prestar contas do meu trabalho em todos os veículos de comunicação, independente de qual seja. Estou sempre à disposição de todos, como estou neste momento falando ao Jornal Monte Roraima.

MR - Qual o papel que esses veículos desempenham na construção da sua imagem como um dos políticos mais importantes e influentes de Roraima e do Brasil em Brasília?

Jucá – Quem vive na vida política deve ter a obrigação de prestar contas de seu trabalho. Eu tenho procurado prestar contas do meu trabalho em todos os veículos de comunicação. Eu volto a dizer: qualquer veiculo de comunicação que me procura, eu presto conta. Eu não ignoro nenhum veiculo de comunicação, até porque eu trabalho muito. Passo muito tempo em Brasília. Sou entrevistado em rede nacional pelas TVs e jornais pelo fato de eu ser líder do governo e de um parlamentar que fala pelo Presidente da Republica, que fala pelo governo. Mas essa questão faz parte do dia a dia do meu trabalho. Aqui em Roraima todos os veículos estão em pé de igualdade, todos entram em contato comigo E quando entram em contato com minha assessoria eu recebo e faço questão de prestar contas. Para mim é muito importante para um político mostrar seu trabalho a população.
 
“Acho que é cedo para falar da eleição de 2012. Acabamos de sair de uma eleição de governador e os candidatos ainda estão curando as feridas”.

Confira a íntegra da entrevista com Romero Jucá aqui. A entrevista estará na edição de amanhã do Jornal Monte Roraima. Eu havia avisando aos leitores sobre a entrevista com o senador Jucá neste post.

PS - O material devia ter entrado no ar ontem às 23h50. Mas por um erro na programação do blog o agendamento da postagem falou. Peço desculpas aos leitores.


Oposição a Anchieta pode aumentar

By Luiz Valério →
Os comentários sobre a ampliação da bancada de oposição ao governo estadual ganham corpo a cada dia. Na quarta-feira (26), quando os sete deputados oposicionistas se reuniram para definir estratégias de trabalho, o líder do grupo, deputado Mecias de Jesus (PR), disse a este blogueiro que outros dois parlamentares engrossariam as fileiras da oposição. Não quis, no entanto, citar o nome dos dissidentes, pois isso seria "entregar o ouro ao bandido". Pois bem. Não há informação que um repórter bem articulado não descubra. Conforme uma fonte bem informada, os possíveis novos oposicionistas são os deputados Célio Wanderley (DEM), que viu sua pretensão de se eleger presidente da Assembleia Legislativa escorrer pelo ralo, mesmo tendo teóricos 13 votos, e Remídio Monai, do PR, mesmo partido de Mecias de Jesus. Anchieta Júnior já é o governador que mais agregou deputados de oposição ao seu governo nos últimos anos em Roraima. Até a gestão passada, a oposição se resumia a três deputados: Flamarion Portela (PTC), Marília Pinto (PP) e Ionilson Sampaio (PSB). Agora são sete deputados oposicionistas com a perspectiva desse número subir para nove. Pelo visto, vem muito barulho por aí.

Frente a frente com a oposição

By Luiz Valério →
Pelo menos dois deputados da bancada de oposição ao governo na Assembléia Legislativa estiveram presentes na posse dos novos secretários: Brito Bezerra e Gabriel Picanço. Os parlamentares sentaram na primeira fileira de cadeiras destinadas às autoridades, de frente para o governador Anchieta Júnior. Deputados e governador trocaram olhares o tempo inteiro. Quando do seu discurso, Anchieta disse esperar que a oposição faça o seu trabalho, que o cobre para que ele possa mostrar que pode fazer um governo de qualidade. Por sua vez, ao ser nomeado líder do governo, Joaquim Ruiz falou em tom conciliatório sobre trabalhar em harmonia e em abrir o debate com a sociedade e a oposição.

Mais mudanças que o anunciado

By Luiz Valério →
A solenidade de posse dos "novos" secretários esta manhã, no Palácio Senador Hélio Campos, revelou algumas surpresas. Além das trocas anunciadas, o governador Anchieta Junior (PSDB) fez mudanças também na Setrabes e no Iteraima. Na Secretaria de Ação Social foi emposada a jovem Fernanda Rizzo Aguiar, pessoa de confiança da primeria dama, Sherindan de Anchieta. Fernanda se formou em Administração em 2008 e vai substituir Maria Dantas no comando da pasta. A outra alteração foi feita para acomodar o aliado de primeira hora, Márcio Junqueira (DEM). Em fim de mandato, Junqueira precisava ser acomodado em algum lugar. Acabou ganhando de presente o comando do Instituto de Terras de Roraima. Os outros empossados como já sabido foram: Leocádio Vasconcelos, na Fazenda; Rodolfo Pereira, na Saúde; e Renato Maciel, na Sefaz. Para substituir Maciel na Controladoria-Geral foi empossado, Tayrone Mourão. Na solenidade o governador ainda assinou o ofício nomeando o deputado Joaquim Ruiz como líder do governo na Assembleia.

Mudando as peças de lugar

By Luiz Valério →
Daqui a pouco tem solenidade no Palácio Senador Hélio Campos para que o governador Anchieta Junior (PSDB) anuncie as primeiras mudanças em seu secretariado. Como adiantamos ainda ontem à tarde, Leocádio Vasconcelos será remanejado da Secretaria da Fazenda (Sefaz) para a Saúde; o então titular da pasta, Rodolfo Pereira, volta a comandar a Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seapa) e o Controlado Geral, Renato Maciel, vai substituir Vasconcelos na Sefaz. É o que se pode chamar de dança das cadeiras, uma vez que a mudança é apenas um remanejamento de “peças” no jogo de xadrez administrativo. Com essas mudanças, o governador Anchieta espera dar um caráter mais técnico ao seu governo. Quanto a Eugênio Thomé, que ocupava a pasta da Agricultura, ele deve acompanhar o ainda deputado federal (por poucos dias) Márcio Junqueira no Iteraima (Instituto de Terras de Roraima). Esta deverá ser a próxima mudança a ser feita no governo.


Uso de redes sociais por senadores roraimenses é tímido

By Luiz Valério → quinta-feira, 27 de janeiro de 2011
Levantamento feito pela Agência Senado constatou que pelo menos 33 senadores dos 81 senadores, incluindo os 54 que tomam posse no dia 1º de fevereiro, fazem uso do Facebook e 57 tem perfis no Twitter. Dos três senadores roraimenses apenas Romero Jucá (PMDB) tem um perfil na rede de microblogs que agrega mais de 200 milhões de exemplares, mas está ausente do Facebook. Mozarildo Cavalcanti (PTB) e Ângela Portela não faz uso nem do Twitter nem da rede social criada por Mark Zuckerberg para se comunicar com os eleitores. O uso das redes de relacionamento pelos parlamentares é feito por computador ou celular.
 
De acordo com a pesquisa da Agência Senado, os parlamentares tem as redes sociais como um termômetro imediato da opinião pública, assim como uma forma de se aproximar dos cidadãos. No caso de Romero Jucá, é comum receber suas postagens no Twitter comunicando sobre sua agenda com ministros ou colegas de parlamento. O peemedebista também usou amplamente o site de microblog durante as eleições 2010. Conforme a assessoria de imprensa de Jucá, é o próprio senador quem atualiza seu perfil, com o objetivo de manter contato e saber do feedback dos seus eleitores quanto à sua atuação.

“Nós ainda nem sabíamos direito o que era Twitter, quando ele ligou de Brasília dizendo para criar o perfil dele no Twitter. Agora é ele mesmo quem atualiza e faz as postagens”, disse a assessora Priscila Gonçalves. Segundo a jornalista, Jucá considera importante se comunicar pelas redes sociais, pois além de poder informar sobre a sua agenda, ainda fica sabendo o que é publicado o seu respeito na segunda rede social mais utilizada no mundo atualmente.

O senador Mozarildo Cavalcanti está fora das redes sociais, mas mantém um blog e um site. De acordo com sua assessoria em Boa Vista, logo o parlamentar também terá perfil tanto no Orkut quanto no Twitter, pois ele entende a importância de usar essas ferramentas para se comunicar com seu público. “Estamos discutindo o assunto e fazendo um planejamento para definirmos a melhor forma de usar esses mecanismos”, disse sua assessoria.

A senadora de primeiro mandato, Ângela Portela está ausente das redes sociais. Não tem perfil nem no Twitter nem no Facebook. A reportagem do jornal Monte Roraima tentou contato com a sua assessoria, não conseguiu localizá-la.


INTERNET NO BRASIL

Atualmente 81,3 milhões de brasileiros com idade superior a 12 anos têm acesso à rede, de acordo com a F/Nazca. O Brasil se constitui no quinto país com o maior número de conexões à internet, de acordo com levantamento feito pela Organização das Nações Unidas (ONU). Ao todo são 60 milhões de computadores, segundo a Fundação Getúlio Vargas, devendo chegar a 100 milhões em 2012. Por outro lado, o governo federal pretende ampliar o acesso do brasileiro à internet de banda larga e lançou no ano passado o Plano Nacional da Banda Larga (PNBL), cujo objetivo é universalizar até 2014 a internet rápida no país.


Governador faz primeira mudança de secretários

By Luiz Valério →
O que era apenas especulações acerca das mudanças no primeiro escalão do governo, agora está confirmado. Amanhã, às 11 horas, no Salão Nobre do Palácio Senador Hélio Campos, o governador Anchieta Júnior (PSDB) oficializa o remanejamento de pelo menos três secretários.

As mudanças já eram conhecidas extra-oficialmente. Leocádio Vasconcelos deixa a Secretaria da Fazenda e assume a de Saúde. Rodolfo Pereira, que comandava a pasta, vai para a Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seapa), no lugar de Eugênio Thomé. Renato Maciel muda da Controladoria para a Sefaz.

Durante a campanha o governador Anchieta Júnior disse que neste mandato primaria por um modelo de gestão mais técnica sem permitir que houvesse ingerência política no preenchimento dos cargos estratégicos da administração. Até o meio da semana havia a expectativa de que fosse haver mudança também no comando da Secretaria de Educação, o que não se concretizou. Antônia Vieira, a Tunica, será mantida na pasta.

No meio político há questionamentos sobre as mudanças feitas principalmente no comando da Sefaz e da Saúde. Leocádio Vasconcelos é tido como um técnico competente na área das finanças. Agora vai comandar a problemática secretaria de Saúde. O médico e então titular da pasta, Rodolfo Pereira, volta para a Seapa, secretaria que já comandou em outras ocasiões. Eugênio Thomé deve deixar o governo, pois não foi informada sua acomodação em nenhum outro cargo.

Ministro diz que repasse de rercusos para a BR-174 continua

By Luiz Valério →

A Assessoria de Comunicação do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, negou ao blog Política com Pimenta, via email, que ele tenha o governador de Roraima Anchieta Júnior, esse semana, para tratar de quaisquer assuntos.  Conforme o gabinete do ministro Nascimento, não procedem as informações de que ele teria ligado para o governador Anchieta com o objetivo de comunicá-lo da decisão de cancelar o repasse de recursos para a recuperação da BR-174 no estado. De acordo com a assessoria, o repasse de verba e a obra seguirão seu curso normal. Para saber mais sobre o caso leia o post Alfredo Nascimento diz a Anchieta que vai fechar as torneiras. A informação acerca do cancelamento do repasse de recursos para a obra da BR-174 partiu de uma autoridae, que teria ouvido uma conversa telefônica entre o governador e o ministro.

Alfredo Nascimento diz a Anchieta que vai fechar as torneiras

By Luiz Valério →
O tal vídeo em que o deputado federal eleito Chico das Verduras (PRP) denuncia um suposto esquema de desvio de recursos da BR-174, num total de R$ 70 milhões, continua fazendo estragos em Roraima. Uma autoridade disse ter escutado uma telefonema do ministro Alfredo Nascimento (PR) para o governador Anchieta Junior (PSDB), cancelando o repasse de verbas para a obra de reconstrução da rodovia federal. Alfredo disse ao jornal Amazonas em Tempo, de Manaus, ter mandado iniciar uma investigação junto ao DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes) para apurar as denúncias de Chico. Mas o que se pode esperar de uma investigação em um órgão determinada pelo próprio denunciado? Fato é que a história do cancelamento no repasse das verbas já está rolando nos bastidores políticos em Roraima. Estou mantendo contato com o Ministério dos Transportes para checar a informação.

Uma entrevista com Jucá

By Luiz Valério →
Se nada der errado, a minha entrevista deste final de semana no jornal Monte Roraima e aqui no blog será com o senador Romero Jucá (PMDB), o político mais votado no último pleito em Roraima. Assim como fiz com a senadora Ângela Portela (PT), na semana passada, duas páginas serão dedicadas ao material. Faço perguntas sobre tudo: liderança no Senado, o mandato da presidenta Dilma, sua convivência com presidentes de perfis tão diferentes como FHC, Lula e Dilma, seu conglomerado de comunicação, sua relação com o prefeito Iradilson Sampaio, alocação de recursos para Roraima, os projetos de desenvolvimento para o Estado e, claro, eleições 2012. Acordei com a assessoria do senador de enviar as perguntas por email. Assim foi feito. Agora vamos aguardar pelo retorno do material devidamente respondido para editar e publicar. Aguardem.

PS - Pensei em entrevistar o governador Anchieta Júnior (PSDB). Propus a entrevista à sua assessoria, mas ela não aceitou alegando que não seria um bom momento. Fazer o que, não é? As entrevistas terão continuidade a cada sábado. Pretendo ouvir políticos de todas as vertentes, sem distinção.

CHARGE - O linguarudo

By Luiz Valério → quarta-feira, 26 de janeiro de 2011
Autor: Sérgio Paulo

Oposição a Anchieta define estratégia de ação

By Luiz Valério →

Nesse instante, os sete deputados que compõem a bancada de oposição ao Governo do Estado estão reunidos na sala da liderança da oposição, na Assembleia Legislativa de Roraima. Vão discutir estratégias e método de trabalho para quando começar o ano legislativo. Compõem a bancada oposicionista os deputados Mecias de Jesus (líder), Flamarion Portela, Soldado Sampaio, Brito Bezerra, Gabriel Picanço, Ionilson Sampaio e Diego Coelho. O grupo diz que vai fazer uma oposição responsável sem, no entanto, promover uma caça às bruxas. “Vamos mostrar os problemas existentes para o governo e para a população, com o objetivo de que eles sejam corrigidos”, disse Mecias ao blog. O parlamentar também adiantou que o grupo pode ganhar duas novas adesões. Não adiantou quem seriam os possíveis dissidentes da bancada governista.

Pimenta que arde e incomoda

By Luiz Valério →
Gosto muito de saber que este blog é lido e que o que eu escrevo repercute por aí. Governador lê nota e determina à sua assessoria que me ligue imediatamente para dar sua versão dos fatos. Senador confere material e liga de Brasília para tentar me corrigir e dizer que estou enganado sobre determinado fato, etc... que ele não teme isso nem aquilo. Leem até notas que eu não escrevi e logo recebo ligação de colegas para conferir se eu fiz mesmo determinada afirmação. Bom sinal. Sem a hipocrisia da imparcialidade e da neutralidade, mas com independência, vou fazendo o que mais gosto: escrever.

Roraima poderá ter nova totalização votos

By Luiz Valério → terça-feira, 25 de janeiro de 2011
O vendaval que causou mudança na composição da Assembleia Legislativa, com a destituição de Leonídio Laia (PRTB) do cargo de deputado e a diplomação de Erci de Moraes (PPS) como seus substituto na Casa ainda não se dissipou. Muito pelo contrário.

A depender do resultado das sete ações que questionam o deferimento e o indeferimento de candidatos ainda em tramitação no Tribunal Regional Eleitoral, poderá haver nova mudança não apenas na Assembleia como também na Câmara dos Deputados.

O presidente do Tribunal, Ricardo Aguiar de Oliveira, em conversa com este jornalista-blogueiro, não descartou a possibilidade de novas alterações. Pontuou, entretanto, que não há prazo determinados para que elas ocorram, pois há processos que sequer subiram para o Tribunal Superior Eleitoral.

TERESA SURITA NA BERLINDA
Eleita e empossada como a mais votada no último pleito, Teresa Surita é alvo de ação que pode resultar na anulação dos seus votos - Foto: Blog de Teresa Surita
Uma dessas ações que trata sobre impugnação de registro de candidatura tem como alvo a deputada Teresa Surita (PMDB), que foi a deputada mais votada no último pleito.

Caso Teresa venha a ter o seu registro de candidatura impugnado, mesmo depois de três meses passados das eleições, poderá haver uma mudança brusca na bancada federal de Roraima em Brasília, conforme admitiu o desembargador Ricardo Oliveira.

MUDANÇA BRUSCA
Isso porque, em tese, os votos da deputada mais votada seriam anulados. Diante do novo entendimento formado pelo TSF, de que os votos de um candidato, quando anulados não vão para o partido a que ele está filiado nem para a coligação pela qual disputou as eleições, haverá a necessidade de retotalização dos votos, da qual resultaria um novo quociente eleitoral. Daí candidatos que sequer teriam chance de chegar à Câmara dos Deputados poderá ser beneficiado.


INSEGURANÇA JURÍDICA
Para Ricardo Oliveira, a mudança de entendimento das cortes superiores – TSE e STF – em relação às normas eleitorais, depois das eleições “causou uma insegurança jurídica desnecessária”. Mesmo assim, diz que mudanças poderão vir. O comentário foi feito depois do Pleno do TRE se decidir pela manutenção da decisão que destituiu Laia do cargo de deputado.

Na avaliação do desembargador Ricardo Oliveira a “mudança das de regras do jogo” depois do final da partida, ou seja, da eleição, criou essa situação de insegurança ora verificada.

O magistrado diz que diante desse quadro, a situação vai se definindo aos poucos. Em outras palavras, mesmo com os votos contados e apurados e com os eleitos empossados, a eleição ainda não terminou na prática.

Qualquer semelhança não é mera coincidência

By Luiz Valério →
Deu no blog da Alcinéa Cavalcante:

"Por 8 votos a 2 a Liga das Escolas de Samba do Amapá decidiu que este ano não haverá carnaval de escolas de samba, devido a crise financeira que o Amapá atravessa tanto setor público como no privado.


Sei não. Mas isso mais me parece jogo de cena para forçar o governo a abrir o cofre e repassar grana para Liga e escolas.
A Liga queria do governo R$ 3 milhões para fazer o carnaval e o governo avisou que tudo isso era impossível. Baixou para R$ 1,5 milhão e o governo disse que mais de um milhão não dava.
Inadimplente há vários anos, a Liesa não tem um tostão furado e o único patrimônio que tem é um computador. A maioria das escolas de samba não faz uma promoção para angariar recursos durante o ano inteiro e por isso vive na pindaíba".



A situação é a mesma vivida pelas escolas de samba aqui de Roraima. Com o anúncio feito pela Prefeitura de Boa Vista e pelo Governo do Estado há pouco mais de uma semana, de que não haverá repasse para a Liga das Escolas de Samba, a folia de Momo também foi pro ralo em Boa Vista.

Aqui quem está quebrado é o poder público, que alega não ter recursos em decorrência da redução nos repasse no Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

De acordo com as informações divulgadas na imprensa local a partir das alegações do secretário de Planejamento da Prefeitura, Getúlio Cruz, o Município gastaria em torno de R$ 700 mil este ano com a festa popular. Cruz alegou que os recursos que seriam repassados para as escolas  de samba realizarem o Carnaval serão utilizados em serviços considerados essenciais.

De sua parte, o governo também alegou que não vai repassar recursos, pois entende que a responsabildiade pela realização do Carnaval é da Prefeitura. E dessa forma, Boa Vista ficará sem folia, caso os carnavalescos não consigam apoio da iniciativa privada, o que não é bem provável.

Imagem: Vila Mulher



EQUIPE DE GOVERNO - Anchieta deve anunciar mudanças até sexta

By Luiz Valério → segunda-feira, 24 de janeiro de 2011
Até a próxima sexta-feira (28) o governador Anchieta Júnior (PSDB) deverá anunciar mudanças no primeiro e segundo escalões do seu governo. A informação foi repassada ao jornal Monte Roraima pelo vice-governador Chico Rodrigues (DEM), que visitou a redação na tarde de ontem.

Rodrigues não adiantou quais secretarias e autarquias devem sofrer mudança na titularidade, mas disse que serão feitas mudanças em setores estratégicos. Porém, dentro do próprio governo se comenta que poder haver alteração no comando da Educação, Saúde e Iteraima (Instituto de Terras de Roraima) entre outros.

Conforme o vice-governador, Anchieta se mostra determinado a fazer tais mudanças com o objetivo de melhorar o nível de eficiência dessas secretarias e oferecer serviços cada vez mais de melhor qualidade para a nossa população.

“Tenho certeza que o governador Anchieta está determinado a fazer um governo cada vez mais técnico para atender a todas as demandas reprimidas do Estado e que vem sendo reclamadas”, comentou.

Chico Rodrigues disse entender que o governador precisa ter total autonomia para escolher os assessores que melhor possam contribuir para fazer uma administração capaz de resolver os problemas enfrentados pelo estado em vários setores.

Dessa forma, os aliados precisam ter o senso de cooperação e desprendimento para ajudar a montar a equipe mais técnica possível de forma a fazer uma administração voltada para atender as necessidades da população que lhe confiou o mandato.

RELACIONAMENTO COM DILMA

Mesmo sendo de partidos que fazem oposição ao governo federal, DEM e PSDB, respectivamente, Chico Rodrigues disse ele e o governador Anchieta Júnior vão buscar manter um relacionamento colaborativo e respeitoso com a presidenta Dilma Rousseff (PT).

O democrata afirmou que, independente das posições políticas que tenham, ele e o governador jamais poderão deixar que os dirigentes dos seus partidos interfiram no relacionamento que o Governo de Roraima tem e precisa manter com a presidenta. “Acima dos nossos partidos estão os interesses e anseios do nosso povo”, afirmou.


Anchieta e Teresa não romperam

By Luiz Valério → domingo, 23 de janeiro de 2011
Postei ontem uma nota aqui no blog afirmando que teria havido um ligeiro desentendimento entre a deputada eleita Teresa Surita (PMDB) e o governador Anchieta Júnior (PSDB) por causa de acordo não cumprido envolvendo o comando da Sesau (Secretaria de Saúde), que teria sido prometida à ex-prefeita.

Leia a nota aqui no post Acordos, desacordos e traições.

Recebi agora à pouco uma ligação do secretário de Comunicação, Rui Figueiredo, contestando a informação em nome do gestor estadual.

De acordo com Rui, a relação entre o governador Anchieta e a deputada Teresa Surita é a melhor possível. Não houve, disse-me ele, nenhum desentendimento envolvendo questões relativas a acordos de campanha. E muito menos disputa pela Secretaria de Saúde. 

O governador também sustenta a sua decisão, conforme disse o secretário, de manter o seu apoio ao nome de Teresa Jucá como sua candidata a Prefeita de Boa Vista em 2012, se ela o desejar.

Enfim, está tudo às mil maravilhas entre o governador e seus aliados, principalmente Teresa. Registrado então.


Acordos, desacordos e traições

By Luiz Valério → sábado, 22 de janeiro de 2011
[1] A deputada eleita Teresa Surita (PMDB) se descompensou, por esses dias, ao cobrar o cumprimento de acordo político por parte do governador Anchieta (PSDB).

[2] A mais votada das eleições proporcionais de 2010 para a Câmara dos Deputados foi cobrar a promessa de que a Sesau (Secretaria de Saúde) seria da sua cota e ficaria com o sei indicado, Marcelo Lopes.

[3] Como viu o tempo passar e o acordo não ser cumprido, Teresa teria ficado insatisfeita. Saiu batendo as portas do Palácio Senador Hélio Campos.

[4] Já escrevi sobre esse assunto na coluna POLÍTICA S/A do site Roraima em Foco, mas não custa relembrar. Dizem que os deputados situacionistas se mobilizam para impedir que Mecias de Jesus (PR) se efetive como líder da oposição na Assembleia Legislativa.

[5] O novo líder do governo, deputado Joaquim Ruiz (PV), estaria articulando para que o PR não permita que Mecias incorpore o líder oposicionista. Por quê? O PR faz parte da base aliada do governo.

[6] As alegações são que, ao se colocar como opositor, mesmo com o partido tendo apoiado a candidatura do governador Anchieta, Mecias de Jesus estaria incorrendo em infidelidade partidária.

[7] Há rumores oficiosos de que Macias estaria procurando ou escolhendo uma nova sigla partidária para buscar abrigo, quando o tempo começar a fechar pro seu lado. Não tardaria a abandonar o Partido Republicano.

[8] Porém, essa será uma jogada muito perigosa, uma vez que é entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que o mandato pertence ao partido e não ao político.

[9] Logo, se optar por sair do PR, Mecias poderá estar entregando seu mandato de deputado estadual mais votado nas eleições de 2010 em Roraima de mãos beijadas para seus adversários declarados e dissimulados.

[10] O começo de ano legislativo parece que vai ser bem movimentado pelas bandas do Executivo e do Legislativo.

Entrevista com a deputada Ângela

By Luiz Valério →
Caros coleg@s,

Recebi muitos comentários positivos via redes sociais e por telefone pela entrevista que publiquei hoje no blog e no jornal Monte Roraima, com a senadora Ângela Portela (PT).

Apesar de longa [tem gente que não tem muita paciência pra ler], a entrevista ficou interessante. Tive a preocupação de extrair da agora senadora Ângela tudo o que ela pensa a respeito desse seu novo momento e sobre como ela pretende se relacionar com o governo estadual.

Sempre que entrevisto alguém, tento aprofundar o assunto o mais que posso, sem me abster de fazer a pergunta que quero fazer. Meu compromisso maior e com o leitor. Sempre.

Então, juntando a simpatia e franqueza de Ângela Portela com a minha coragem de perguntar, o produto final ficou do jeito que foi publicado. 

Essas entrevistas com personalidades políticas passarão a ser publicadas agora nas edições do final de semana do Monte Roraima e aqui no blog Política com Pimenta.

Até segunda-feira vou definir meu próximo entrevistado. Aceito sugestões aqui no blog ou pelo Twitter [@Luiz_Valerio] ou mesmo pelo Facebook [http://www.facebook.com/LuizValerio].

PS - Post publicado por email [Via Gmail]

ANGELA PORTELA - 'Continuarei leal ao meu grupo'

By Luiz Valério → sexta-feira, 21 de janeiro de 2011
A deputada Ângela Portela foi a parlamentar roraimense que menos faltou às sessões do Congresso Nacional no exercício do mandato de deputada federal na última legislatura. Acabou tendo sua atuação reconhecida e foi eleita senadora, deixando para trás a sua adversária nas urnas, Marluce Pinto (PSDB), detentora da herança política do ex-governador Ottomar Pinto. Passadas as eleições, logo o governador Anchieta Júnior (PSDB) acenou com o interesse de ter Ângela Portela em seu grupo político, com o objetivo de ganhar força junto ao governo federal. Mas, se depender de Ângela, esse busca pela aproximação não vai vingar.
Ângela diz que não vai compor com o governador Anchieta

Na entrevista que segue, a senadora Ângela Portela deixa claro que vai continuar fiel ao grupo político pelo qual se elegeu. Diz que está aberta a “parcerias de trabalho que forem proveitosas e que impliquem em melhoria das condições de vida de nossa população”, mas deixa claro que isso não significa que mudará de postura em relação à orientação política que seguira no desempenho do seu mandato. “Reafirmo que fui eleita por um grupo político e continuarei leal a este grupo. Todo o resto é pura especulação”, diz.

A parlamentar diz que sua prioridade é colocar em prática os projetos voltados para a educação e a formação profissional, consolidação do turismo, fortalecimento da agricultura familiar e do agronegócio, efetiva implantação das Áreas de Livre Comércio e da Zona de Processamento de Exportações que são imprescindíveis para o desenvolvimento de Roraima. Confira a entrevista abaixo:

Luiz Valério - Para começar nossa conversa, qual será sua linha de atuação no Senado?

Ângela Portela - Pretendo continuar o trabalho que já estamos fazendo na Câmara dos Deputados. Nossa linha de atuação no Senado Federal será no sentido de bem representar o Estado de Roraima, buscando alternativas para o desenvolvimento econômico e social, apresentando projetos e outras proposições que impliquem em benefícios diretos para o nosso povo, atuando junto ao Governo Federal para incluir nosso estado em programas, projetos e ações de desenvolvimento, com sustentabilidade, com respeito à cultura, às tradições e ao meio ambiente. Também pretendo priorizar políticas públicas voltadas para as mulheres, idosos, portadores de necessidades especiais, crianças, adolescentes e jovens, principalmente aquelas relacionadas com a melhoria da qualidade da educação, o que inclui melhor remuneração e condições de trabalho para os professores.

LV - Sabe-se que o governador tem feito elogios à sua atuação parlamentar como deputada e já disse publicamente que pretende "conquistá-la" para sua base de apoio em se tratando da bancada federal. A senhora está disposta a trabalhar em parceria com o governo estadual? Ou pretende fazer oposição?

Ângela - Estarei aberta a todas as parcerias de trabalho que forem proveitosas e que impliquem em melhoria das condições de vida de nossa população. O que não quer dizer que não vou respeitar a postura adotada pelo meu grupo político. Não podemos esquecer que saímos recentemente de uma disputa eleitoral que ficou marcada pelos excessos e pelo ostensivo desrespeito à Legislação Eleitoral, por parte de alguns candidatos. Do ponto de vista da articulação política, estarei ao lado do meu grupo para ver a vontade da população de Roraima restabelecida, respeitando o rito democrático e o devido processo legal. Reafirmo que fui eleita por um grupo político e continuarei leal a este grupo. Todo o resto é pura especulação.

LV - Parece repetição de pergunta, mas não é: como será a sua atuação parlamentar no que diz respeito à sua relação com o governo estadual, que é de um partido que historicamente faz oposição ao governo petista?

Ângela - Minha atuação parlamentar permanecerá no sentido de apoio às prefeituras, principalmente à Prefeitura de Boa Vista. Em relação ao Governo do Estado, atualmente sob o comando do PSDB, que é oposição ao meu partido, vamos manter essa postura. Mas repito que será uma oposição com responsabilidade. Isso inclui estar vigilante, fiscalizar a atuação da administração estadual, apontar falhas e buscar soluções para os problemas.

LV - As feridas da campanha eleitoral já cicatrizaram? O porquê da pergunta: no período da campanha, falou-se que a senhora - apesar da sua atuação elogiável como deputada - não seria o melhor nome para representar Roraima no Senado, exatamente por ser do PT, "um partido que tem feito tudo para prejudicar Roraima", nas palavras dos críticos do partido.

Ângela - O povo de Roraima é soberano para escolher os seus representantes. E o eleitor roraimense confirmou meu nome para representá-lo no Senado Federal com uma votação histórica, apesar de todas as dificuldades. Ao fazer esse julgamento, o povo de Roraima entendeu que o Partido dos Trabalhadores tem feito o melhor possível para dotar nosso estado de condições de desenvolvimento econômico e social compatíveis com os novos tempos, que impõem respeito ao meio ambiente, às minorias étnicas, aos trabalhadores rurais e das cidades, às mulheres, idosos, deficientes físicos etc. Entendo que o processo eleitoral gera insatisfações, mágoas e, algumas vezes, feridas que não se curam. Mas este não é o meu caso. Ao disputar a eleição, sabia que enfrentaria uma campanha muitas vezes injusta e de baixo nível, mas não guardo nenhum tipo de rancor. Vamos em frente, porque os desafios são muitos.

Confira a íntegra da entrevista com a senadora Ângela Portela.

TSE nega liminar que pedia novo cálculo do quoeficiente eleitoral para deputados em Roraima

By Luiz Valério → quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A presidente em exercício do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, indeferiu, nesta terça-feira (18), pedido liminar feito por Leonídio Netto de Laia, candidato a deputado estadual nas eleições de outubro de 2010. Ele pedia que o TSE determinasse ao Tribunal Regional Eleitoral de Roraima a realização de novo cálculo do quociente eleitoral para o cargo de deputado e nova proclamação e diplomação dos eleitos.


Alega que o TRE-RR diplomou para o mesmo cargo o candidato Jalser Renier Padilha, embora estivesse com o registro de candidatura indeferido, em decisão publicada pelo TSE em 16 de dezembro passado.

Leonídio de Laia sustenta, ainda, que a decisão regional teria violado o artigo 16-A da Lei das Eleições (Lei 9.504/97) pois com o indeferimento do registro de candidatura de Jalser  e a consequente exclusão dos seus votos, ele seria diplomado no cargo de deputado estadual.

De acordo com a ministra Cármen Lúcia, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Roraima informou que a decisão que indeferiu o registro de candidatura de Jalser Renier Padilha, publicada à véspera da diplomação dos eleitos, não foi comunicada àquele tribunal e que “nos processos em que o Tribunal foi informado do teor das decisões dessa Corte Superior, houve imediato cumprimento, o que implicou inclusive na retotalização dos votos e alteração da composição da Assembléia Legislativa do estado”.

Portanto, de acordo com a decisão da ministra, não se comprova a ilegalidade no ato do tribunal regional, especialmente porque a decisão foi publicada em data muito próxima à diplomação dos candidatos eleitos, “não sendo sustentável que o TRE-RR tivesse inequívoco conhecimento do que decidido”.

Além disso, a decisão que indeferiu o registro de candidatura de Jalser Renier Padilha é monocrática e poderá ainda ser analisada pelo plenário do TSE, mediante a interposição de eventual recurso.


50% da população da região Norte está excluída do sistema bancário

By Luiz Valério → domingo, 16 de janeiro de 2011
Pesquisa de Indicadores de Percepção Social (SIPS), elaborada pelo IPEA, concluiu que 50% da população da região Norte está excluída do sistema bancário brasileiro, enquanto que mais de 60% da população das regiões mais desenvolvidas estão incluídos no sistema bancário, com acesso a contas e cartões de crédito.

Leia outro artigo interessante sobre o tema.

Ainda de acordo com a pesquisa, as mulheres constituem a maior fatia da população excluída do sistema bancário. Por outro lado, a população jovem está tendo acesso mais cedo ao sistema, enquanto os maiores de 45 anos tiveram um avanço menor.

No que diz respeito à renda, os dados evidenciam a mesma relação estabelecida com o nível de escolaridade, ou seja, quanto maior a renda, maior o índice de inclusão no sistema bancário.

O levantamento feito pelo IPEA aponta que o percentual de pessoas que desejam possuir uma conta bancária é maior entre as seguintes faixas da população:

a) mulheres jovens (com menos de 24 anos de idade);

b) pessoas com o ensino fundamental completo;

c) pessoas com renda de até dois salários mínimos mensais; e

d) residentes nas regiões Norte e Nordeste.

No entanto, quando o assunto são aqueles que se sentem pertencentes ao público-alvo dos bancos, o perfil sofre uma ligeira modificação.

O percentual é maior entre (a) jovens de ambos os sexos, (com menos de 24 anos de idade), (b) pessoas com ensino fundamental completo e (c) pessoas com renda mensal de até cinco salários mínimos. A maior concentração também está nas regiões Norte e Nordeste, especialmente na última.

O fato de estar fora do sistema bancário pode ter algumas vantagens e um tanto de desvantagens. Ter acesso a contas e cartões de crédito pode ser de muita utilidade quanto se tem controle nos gastos ou pode se tornar uma dor de cabeça, quando se perde o controle.

O certo é que algumas pessoas se desiludiram com o alto custo de ter conta aberta em um banco e preferiram pedir o seu cancelamento, assim como dos cartões de crédito. Muita gente consegue viver sem esses "benefícios".

E você, o que pensa a respeito. Diga nos comentários.



Deputados de RR estão fora da lista dos 100 mais assíduos

By Luiz Valério → sexta-feira, 14 de janeiro de 2011
Deputado Urzeni Rocha contabilizou número de falta superior a um ano de mandato
Nenhum dos oitos deputados federais de Roraima que cumpriram toda legislatura passada está entre os 100 mais assíduos do Congresso Nacional. O levantamento feito pelo site Congresso em Foco leva em conta os dias de sessões deliberativas realizadas durante o período em que o deputado estava no exercício do mandato.

O deputado mais faltoso da bancada roraimense é Urzeni Rocha (PSDB), que não se reelegeu. Ele tem 136 faltas justificadas e duas não justificadas, num total de 138 faltas ou 32,7% do total de sessões realizadas nos quatro anos de mandato, o que corresponde a mais de um ano legislativo. Por exemplo, as 422 sessões deliberativas realizadas durante os quatro anos de mandato, divididas por quatro, dá um total de 105 sessões. O tucano não foi localizado para comentar o assunto.

Veja a lista completa com o ranking dos deputados faltosos

Na sequência dos mais faltosos da bancada roraimense estão os deputados Chico Rodrigues (DEM), que se elegeu vice-governador, Márcio Junqueira (DEM), que não conseguiu renovar seu mandato nas últimas eleições, e Luciano Castro (PR), reeleito para mais um mandato. Rodrigues contabilizou 97 faltas (23%) durante quatro anos. Isso corresponde a quase um ano inteiro de faltas. O democrata justificou 42 ausências e deixou 55 sem justificativa.

Márcio Junqueira (DEM), um dos mais polêmicos deputados de Roraima na última legislatura, deixou de comparecer a 87 sessões, o que equivale a 20,6% de todas as realizadas na Câmara. Junqueira justificou 48 faltas e deixou de justificar 39. Já o deputado Luciano Castro (PR), faltou a 81 das 422 sessões. O republicano justificou 71 faltas e manteve dez sem justificativas.

O único parlamentar roraimense que aparece em meio aos 100 parlamentares mais assíduos do Congresso é o deputado Almir Sá (PR). Ele assumiu a vaga do ex-deputado Neudo Campos (PP), que renunciou ao cargo para disputar as eleições para o governo de Roraima.

Mesmo assim, Sá participou de apenas 14 das 19 sessões até o encerramento dos trabalhos legislativos do ano passado, o que representa 73,7%. O parlamentar justificou quatro faltas (21,1%) e deixou de justificar uma (15,3%). Já Neudo, por exemplo, faltou a 78 sessões das 403 sessões realizadas até a sua renúncia. Justificou 72 faltas e deixou de justificar seis.

Os menos faltosos

Da bancada federal de Roraima, a mais assídua às sessões do Congresso foi Ângela Portela (PT), eleita senadora, que esteve presente em 385 das 422 sessões realizadas. Ao todos, a parlamentar faltou a 37 sessões (8,8%), justificou 26 (6,2%) e deixou de justificar 11 (2,6%).

Depois de Ângela Portela, os deputados da bancada federal de Roraima que menos faltaram às sessões do Congresso foram Maria Helena Veronese (PSB), que contabilizou - de acordo com o levantamento do Congresso em Foco - 50 faltas, tendo justificado 48 e deixado duas sem justificativas, e Édio Lopes (PMDB), que faltou a um total de 70 sessões, justificando 39 faltas e deixando 31 sem justificativas.

Metodologia

O ranking montado pelo site Congresso em Foco, que cobre o Congresso Nacional, foi feito considerando como critérios o maior número de faltas e o maior percentual de faltas. Também foi levado em consideração o maior número de ausências não justificadas, o maior percentual de faltas injustificadas, o maior número de faltas com apresentação de justificativas e o menor número de presenças.