Browsing "Older Posts"

O novo Facebook pode fazer muito por você. Mas faça primeiro a sua parte

By Luiz Valério → quinta-feira, 29 de dezembro de 2011


A nova interface do Facebook, com a liberação da nova Timeline, onde as fotos e vídeos e demais informações dos usuários foram valorizados, assim como os dados mais importantes destacados por estes, tornou a maior rede social do mundo, com quase um bilhão de usuários em todo o planeta, ainda mais sedutora e perfeita para quem quer se mostrar para um público ávido por interação.

As novidades inseridas pela equipe de programadores e designers da rede social também aumentaram o apelo das mensagens postadas no Facebook e a sua importância como canal de comunicação gratuito e sedutor para políticos que querem se comunicar de forma direta, informal e eficiente com o seu público.

Um exemplo bem claro sobre a nova timeline do Facebook - Imagem: Superdownloads

Um político com uma boa assessoria de comunicação e de imagem saberá tirar proveito das novas possibilidades do Facebook. Com as imagens valorizadas pela rede social criada por Mark Zuckerberg, um vereador, deputado, senador “antenado” poderá ter um mural atraente das suas atividades parlamentares e do seu estilo de ser e atuar. E o melhor: de forma gratuita.

Outra demonstração de como usar boas imagens pessoais no novo Facebook.
As novidades oferecidas pelo Facebook aos seus quase um bilhão de compulsivos usuários podem ser usadas para projetar uma boa imagem de um político que, por exemplo, tenha a pretensão de se colocar à disposição dos eleitores em 2012 para concorrer ao cargo de prefeito. Mas pode ser também uma maneira de começar a dialogar com os jovens internautas para vôos futuros para além do próximo ano.

O QUE E COMO FAZER?

Para começar, escolha a melhor foto, a mais comunicativa que você tiver em seus arquivos para ser a sua “imagem de capa”. É aquela foto grande, destacada que fica em evidência acima do seu perfil.

Mas como eu tenho dito nos meus posts sobre o uso de redes sociais por políticos, é importante que esse uso siga a “cartilha” da rede social que se estiver usando. É preciso saber usar a dinâmica própria de cada ambiente virtual e falar a língua dos usuários, entender a sintaxe da rede e usar da informalidade, mas sempre de forma elegante.

Não adianta vir com discurso oco ou empolado no Facebook. Esta rede é uma rede de relacionamentos e as pessoas querem trocar ideais de forma casual, mas, usando a inteligência, é possível formar uma audiência cativa e sondar os seus amigos de rede sobre ideias e propostas que podem vir a se transformar em projetos futuros.

Lembre-se, no entanto, de que é preciso não falar ou prometer coisas que não se pode cumprir. E mais uma vez eu repito: é preciso dialogar com a sintaxe da rede social. Mostre vídeos informais. Fotos de momentos descontraídos em família, desde que estas sejam fotos verdadeiras, nada de montagens. Nunca se esqueça de que uma boa imagem fala muito. E fala tanto que pode depor contra você.


Eu também falei sobre política e redes sociais nos seguintes posts:
Presidente do PV abre bolsa de apostas sobre nova eleição em Roraima
Todo Político deve ser um blog


Se você já tem um mandato, dialogue com as pessoas sobre suas ideias. Peça sugestões. Discuta pontos e questões importantes para sua cidade, seu estado. Apresente propostas de soluções para os problemas vigentes no lugar onde mora. Mostre que você é um camarada pró-ativo e que quer saber a opinião dos internautas sobre questões importantes. Valorize a inteligência da sua audiência. O Facebook já mostrou em escala mundial que pode ser um importante instrumento de mobilização política.

Outra questão. Não deixe para entrar na rede social quando a campanha começar, pois ficará claro que sua atitude é oportunista e tem a finalidade apenas de tentar usar o Facebook como palanque eletrônico. Se agir assim, você vai afugentar seus amigos ou possíveis admiradores.

Rede social é pra se socializar e não para “demagogizar”. Algo muito importante é você mesmo atualizar seu perfil. Seu assessor de comunicação de imagem deve apenas orientá-lo sobre a melhor forma de fazê-lo. Lembre-se disso.

O próximo post será sobre como fazer bom uso das novas funcionalidades do Twitter para valorizar a sua imagem pública.


Vereador diz que vai propor alteração no texto da “lei dos bares”

By Luiz Valério → quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

O vereador Rosival Freitas vai propor mudança no texto da "lei dos bares"
Depois da reunião com os líderes evangélicos na manhã desta quarta-feira (28), o vereador Rosival Freitas disse em primeira mão a este colunista-blogueiro no programa de rádio Estúdio Verdade, que apresento na Rádio Roraima AM 590, que já vai apresentar uma proposta de modificação na lei que regulamenta o funcionamento de estabelecimentos comerciais durante 24 horas, que ficou conhecida como “lei dos bares”.

O vereador afirmou que vai propor a retirada da palavra "bares", mesmo correndo o risco de desagradar aos representantes do segmento por exclusão.

O projeto de lei, aprovado na semana passada na Câmara de Vereadores de Boa Vista, causou polêmica entre a comunidade evangélica. Por isso, na manhã desta quarta-feira, os pastores líderes de várias congregações procuraram os parlamentares para buscar esclarecimentos quanto à “lei dos bares”.

RUÍDO DE COMUNICAÇÃO

Rosival Freitas disse que houve um entendimento equivocado quanto ao texto da lei, pois ela não trata apenas da abertura dos bares 24 horas, mas de supermercados, lojas de conveniência, postos de combustível e outros estabelecimentos que já funcionam 24 horas sem amparo legal. Segundo o parlamentar, quem mais perde com isso são os funcionários que ficam sem respaldo quanto aos seus direitos que devem ser assegurados por lei.

Então, diante da polêmica que e estabeleceu, Rosival Freitas disse hoje que vai propor a retirada da palavra “bares” do texto do projeto de Lei aprovado pelos vereadores boavistenses. “Vai ser uma medida que vai gerar polêmica e vai desagradar muitas pessoas, mas devido à polêmica gerada e às reclamações que tenho recebido, vou tomar a iniciativa e vou propor a retirada da palavra “bares” da lei aprovada pela Câmara”, afirmou.

CONVERSA

Ao conversarem com os pastores evangélicos na manhã de hoje, os autores do projeto disseram que ele não traz o prejuízo e riscos que a população está temendo. Afirmaram que, no caso dos bares, poucos são os que terão condição de cumprir o que foi estabelecido na lei.

O vereador Pelé acrescentou que houve um acordo com o chefe da fiscalização da Prefeitura, Carlos Monteiro, que haverá sistemática e rigorosa fiscalização na cidade, para que a lei seja cumprida. Mesmo assim, a população não concordou com a proposta aprovada pelos vereadores e começou a reclamar.

Vigilância Sanitária apreende uma tonelada e meia de alimentos

By Luiz Valério → segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

A Vigilância Sanitária Municipal apreendeu uma tonelada e meia de alimentos impróprios para consumo, durante fiscalização em supermercados da capital, na última sexta-feira e sábado (23 e 24).  A inspeção focou na vistoria a procedência, embalagem, estocagem e a exposição adequada de produtos de acordo com as normas técnicas estabelecidas.

Entre os produtos apreendidos estão àqueles vendidos no período de festas de fim de ano como tender, chester, pernil, além de linguiça, carne moída, frango e derivados do leite (manteiga, queijo, requeijão). Esses alimentos não estavam em condições adequadas para o consumo.

De acordo com o coordenador de alimentos da Vigilância Sanitária Municipal, Expedito Santana, o consumidor deve observar as condições gerais de higiene e limpeza do estabelecimento, asseio pessoal do manipulador, condições de exposição do produto e na manipulação dos alimentos.

"É fundamental também ficar atento à armazenagem, conservação e data de validade, assim como embalagem e aparência dos alimentos, e só deve comprar produtos em estabelecimentos legalizados e inspecionados pela Vigilância Sanitária", ressaltou.

Ele lembra que uma vez descongelado o produto não deve mais ser congelado. "Quando ele descongela, pode até proliferar bactérias que poderão provocar
doenças nos consumidores, além de perder suas propriedades orgânicas, de sabor", explicou.

As equipes da Vigilância Sanitária Municipal continuarão a fiscalização nos estabelecimentos que oferecem produtos para as festas de fim de ano. Em caso de dúvida ou para efetuar denúncias, os consumidores podem procurar o departamento localizada na avenida GetúlioVargas, ao lado da Secretaria Municipal de Saúde, no bairro São Pedro.

Desentendimento, meias verdades e jogo de empurra-empurra na discussão do Orçamento 2012

By Luiz Valério → quinta-feira, 22 de dezembro de 2011
Depois do encerramento da sessão desta quinta, os deputados continuaram
discutindo a atitude do deputado Chicão - Foto: Platão Arantes
Os deputados estaduais mais uma vez não chegaram a um acordo e não votaram o Plano Plurianual nem o Orçamento do Estado de Roraima para 2012. A sessão foi apenas iniciada e, na falta de quórum, o deputado Chicão da Silveira, que presidia os trabalhos, pulou da ordem do dia para as explicações pessoais, que é o último estágio das sessões ordinárias.

Houve questionamento de vários parlamentares sobre a falta de compromisso no que diz respeito a essa falta de entendimento para que o PPA e o Orçamento 2012 possam ser votados. O deputado Erci de Moraes (PPS) disse que não vai mais aceitar que apenas um pequeno grupo de parlamentares tomem as decisões e nome de todos.

“Esta Casa é composta por 24 deputados e todos foram votados e diplomados para representar a sociedade, por isso devem participar das decisões”, queixou-se, salientando que a partir de agora se recusará a votar questões postas pela Mesa Diretora sem que todos os deputados sejam ouvidos e participem das discussões.

Quem também questionou a leniência dos deputados em colocar em votação o Orçamento foi o deputado Joaquim Ruiz (PV) que disse já ter sido secretário de Estado, prefeito de municípios roraimenses e nunca tinha visto uma situação como aquela, de falta de aplicação e compromisso para votar a peça orçamentária.

Jânio Xingu (PSL) foi outro deputado que questionou a forma como os trabalhos da sessão desta manhã foram conduzidos. “Eu não estou entendendo o que está acontecendo. Não é verdade que nós não nos reunimos para discutir o Orçamento. Nos reunimos, sim”, disse Xingu.

Esta semana foi improdutiva no que diz respeito à votação de projetos importantes na Assembleia Legislativa. Com exceção da aprovação da Proposta de Emenda a Constituição (PEC) que conferiu autonomia ao Ministério Público de Contas (MIPUC), quase nada de mais importante foi tratado pelos deputados.

A votação do Orçamento ficou para a próxima terça-feira e diante da falta de entendimento entre os deputados, não há a garantia de que a matéria seja votada. Nos bastidores correm comentários que o que há, na verdade, é um jogo de empurra-empurra entre deputados de situação e oposição, que estão insatisfeitos com a redução feita pelo Executivo no orçamento da Assembleia.

Esse adiamento e morosidade na apreciação do Orçamento seria uma forma de pressionar o governo a rever a decisão. Mas nem os parlamentares de situação nem os de oposição falam sobre isso abertamente. A “coisa” fica restrita ao jogo de poder e as discussões acirradas entre as duas forças que compõem a Assembleia. O que a população vê não é a verdade na sua totalidade.

As forças ocultas que alimentam a corrupção

By Luiz Valério → segunda-feira, 19 de dezembro de 2011
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, resolveu esvaziar os poderes do Conselho Nacional de Justiça... Deputados federais aprovam na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara a Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que trata da redução de poderes do Ministério Público para investigar políticos corruptos... (O deputado Francisco Araújo, do PSL de Roraima, mais conhecido como Delegado Francisco, votou a favor dessa PEC famigerada). E assim a coisa vai ficando do jeito que o diabo gosta. Com o CNJ enfraquecido, os bandidos de toga ficaram livres, lépidos e fagueiros para cometer suas atrocidades contra os princípios da Justiça. Ao reduzirem os poderes do Ministério Público, os deputados cavam ainda mais fundo a vala do esgoto por onde escorre a lama da corrupção na política brasileira. Nenhuma das decisões é definitiva, mas elas em si são sintomáticas. Daqui a pouco teremos de fechar o Brasil pra balanço, se é que ainda vai sobrar alguma coisa.

PPL quer Chico Doido candidato a prefeito de Boa Vista

By Luiz Valério →
A movimentação política com vistas às eleições municipais de 2012 continua aqui em Boa Vista. Hoje o Partido Pátria Livre (PPL), criado recentemente, confirmou que pretende ter um candidato próprio à Prefeitura da Capital. E o nome escolhido, a princípio, é o do vereador Chico Doido, que é bastante popular entre os eleitores dos bairros afastados do Centro. Outro nome ventilado pelos dirigentes do PPL foi o do radialista Eduardo Carvalho. Quando chegar a hora de decidir, o partido vai apresentar o nome escolhido à população.

Além de afirmar sua intenção de brigar pelo Palácio 9 de Julho, o presidente do PPL, Lúcio Vilela, disse ter a certeza que a sigla fará dois vereadores para compor a Câmara Municipal de Boa Vista. Vilela disse ter recebido a proposta do também vereador Telmário Mota (PDT), que foi um dos primeiros nomes a se lançar como pré-candidato à prefeitura de Boa Vista, para compor com ele, cabendo ao Pátria Livre a condição de vice na chapa. Lúcio Vilela não aceitou. Ele aceitaria a composição desde que Telmário aceitasse a condição de vice na chapa. Já pensaram que composição explosiva: Chico Doido e Telmário Mota numa mesma chapa? Este é mais um lance do jogo cujas estratégias estão sendo ensaiadas nos bastidores

Juiz Leandro Saon diz que Pleno do TRE foi "infeliz" ao votar Representação na sua ausência

By Luiz Valério → sábado, 17 de dezembro de 2011


Atualizado às 20h45 - O juiz federal Leandro Saon critica os membros do Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por terem votado, na sua opinião de forma infeliz, a Representação do Ministério Público Eleitoral (MPE) que resultou na cassação do governador José de Anchieta Júnior (PSDB) na sua ausência. Saon diz que a atitude foi, no mínimo, descortês e deselegante e lembra que os membros da Corte eleitoral estavam devidamente avisados da sua viagem. Também teceu severas críticas ao fato dos membros do TRE não terem aceitado o juiz substituto, Helder Girão Barreto, para a sua vaga, conforme designação do tribunal Regional Federal da 1a. Região (TRF1).

Leandro Saon disse que denunciou o TRE aos órgãos fiscalizadores competentes, leia-se Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Agora, o que causa espanto estrondoso é o fato de uma contestação tão contundente, como a que foi feita pelo juiz federal, não ter merecido nenhum registro por parte do maior jornal do estado. Em qualquer lugar com uma imprensa minimanente comprometida com a defesa da verdade factual, o posicionamento de um membro de um colegiado contra o próprio colegiado do qual faz parte ganharia manchete e destaque de capa. Mas aqui em Roraima nada foi dito. É como se o fato não houvesse existido. Os leitores precisam ser preservados das conveniências e merecem receber a informação sobre os fatos do jeito como eles acontecem. Vou ressuscitar a coluna Imprensa Urgente aqui no blog. É o jeito.

PEC que reduz tempo de recesso desagrada deputados

By Luiz Valério → sexta-feira, 16 de dezembro de 2011
A proposta de emenda à Constituição do Estado de Roraima (PEC) proposta pelo corregedor-geral da Assembleia Legislativa, deputado Erci de Moraes, com o objetivo de reduzir o tempo de recesso parlamentar para apenas 30 dias por ano soou indigesta para alguns deputados que gostam de cabular as sessões ordinárias.

É provável que a PEC de Erci de Moraes não seja aprovada, porque alguns dos deputados que se elegem prometendo trabalhar seriamente pelo povo, ao tomar posse, começam a tratar o mandato com certo desinteresse e sempre encontram mil e uma maneiras de justificarem sua ausência às reuniões.

Há rostos na Assembleia que vivem a bradar pela moralidade na vida pública, mas tratam o mandato que lhe foi outorgado com desdém. O ex-presidente da Assembleia, deputado Mecias de Jesus ontem pediu mais tempo para analisar a PEC e acenou com o desejo de apresentar uma emenda à emenda.

Sendo assim, penso que a discussão em torno da PEC da redução do tempo de recesso vai causar certa polêmica quando chegar a plenário para votação. Sei que pelo menos três deputados, exatamente aqueles menos dispostos participarem das sessões, logo se posicionaram contra a PEC.
Esse assunto ainda vai render muita discussão na Casa do Povo.

Deputados quiseram demonstrar independência ao aprovarem autonomia do MIPUC

By Luiz Valério → quinta-feira, 15 de dezembro de 2011
Hoje os deputados estaduais roraimenses deram um passo importante para contribuir com a fiscalização dos gastos públicos pelos gestores e legisladores municipais e estaduais. A aprovação em primeiro turno, por unanimidade dos parlamentares presentes à sessão, da Proposta de Emenda à Constituição do Estado (PEC) dando autonomia ao Ministério Público de Contas (MIPUC) foi uma demonstração de maturidade.

É bem verdade que é uma demonstração de maturidade meio que forçada, diga-se, pois de início praticamente todos os deputados eram contrários ao desmembramento administrativo/financeiro do MIPUC em relação ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), ao qual ainda estará vinculado até que a PEC seja aprovada em segunda votação e sancionada pelo governador.

Os deputados sofreram pressão de vários lados para não aprovarem a PEC. Parte da pressão veio do próprio TCE, que é o órgão auxiliar da Assembleia Legislativa na fiscalização das contas públicas. O problema é que o afastamento recente de dois conselheiros por envolvimento em casos de corrupção enfraqueceu o órgão e aumentou a convicção dos procuradores do Ministério Público de Contas de que é chegada a hora de andar com as próprias pernas.

Chamou-me a atenção o fato de que quase todos os deputados ao votarem pela aprovação da PEC afirmaram ter mudado de ideia em relação à proposta e tecerem loas ao trabalho feito pelo MIPUC. Sabe-se que a votação foi precedida de muita conversa, até que os procuradores de conta conseguissem convencer os deputados a aceitar a proposta. Foi uma mudança de posicionamento em massa.

A declaração do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chico Guerra (PSDB), de que a aprovação em primeira votação da autonomia do MIPUC era o começo da "Primavera Parlamentar" foi emblemática.

Na entrevista concedida a este jornalista-blogueiro, Chico Guerra deixou claro que os deputados receberam pressão para não aprovar a PEC e resolveram dar uma demonstração de independência. O presidente do Legislativo estadual afirmou que os deputados estão cansados de abrir mão das suas prerrogativas e agora vão endurecer o jogo.

Uma vez autônomo, o MIPUC será um órgão fiscalizador com características semelhantes às do Ministério Público do Estado e com a prerrogativa de investigar os poderes Executivo e Legislativo, além do próprio Tribunal de Contas do Estado. Daí a pressão feita pelos membros do TCE para que a PEC não fosse aprovada.

Quando eu falei em demonstração de amadurecimento, quis me referir ao fato de que os parlamentares sabem ou devem saber que, no futuro, poderão vir a ser alvo da fiscalização do Ministério Público de Contas. Inclusive os ex-presidentes da Assembleia e seus pares da Mesa Diretora que dão as cartas no gasto dos recursos do Orçamento anual do Poder Legislativo.

Aliás, o procurador público de contas Paulo Sérgio deixou claro em conversa com este que vos escreve que as negociações feitas para a aprovação da PEC não abrirão brecha para a promiscuidade entre o MIPUC e os deputados. Nunca e jamais. Quando estes tiverem de ser investigados, serão. Claro que com direito a todas as oportunidades de esclarecimentos, antes da adoção de medidas mais drásticas.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

By Luiz Valério →

Tendo em vista comentários na imprensa, a Secretaria de Estado de Comunicação Social (Secom) esclarece que em momento algum emitiu qualquer NOTA tratando de julgamento do mandato do governador José de Anchieta e do vice Chico Rodrigues pelo Tribunal Regional Eleitoral.

A Secom coordena a política de comunicação social do governo do estado de Roraima e não se manifesta acerca de assuntos alheios à esfera do Executivo, a exemplo de condutas e de procedimentos próprios de um outro Poder, como é o caso.

Notas oficiais emitidas pela Secom são firmadas pelo seu titular e enviadas aos veículos de comunicação, de forma transparente, legal, por meio eletrônico e no formato impresso. No mais, a Secom não dá procuração a terceiros para representá-la.

 

RUI OLIVEIRA FIGUEIREDO

Secretário de Estado de Comunicação Social

 

 

 

 

 

 

Boa Vista detém 73,1% do PIB do Estado de Roraima

By Luiz Valério → quarta-feira, 14 de dezembro de 2011
Com um Produto Interno Bruto na ordem de R$ 4.090.497 mil, o município de Boa Vista participa em 73,1% da economia roraimense, com predominância do setor de Serviços que chega a R$ 3.699.246 mil

Localizado na região sul, o município de Rorainópolis possui a segunda economia do Estado com um PIB a preço de mercado corrente de R$ 231.527 mil, seguido pelo município de Caracaraí com R$ 170.841 mil, Mucajaí com R$ 146.580 mil e Cantá com R$ 146.091 mil. Esses municípios juntos respondem por 85,5% de toda economia do Estado de Roraima, sendo que praticamente, todos os municípios roraimenses obtiveram um crescimento nominal em 2009 em relação a 2008, destacando – se o município do Cantá que obteve o maior crescimento nominal (23,9%).

Normandia, por conta da queda acentuada da produção de arroz, em função da demarcação das terras indígenas Raposa Serra do Sol que englobou as terras de produção do município, foi a única cidade que teve um crescimento nominal negativo no período (-4,8%).

Os 5 municípios com menor participação no PIB a preço de mercado são, respectivamente, Uiramutã (0,96%), São Luiz (0,97%), São João da Baliza (1,06%), Iracema (1,27%) e Amajari (1,27%). Em todos os municípios roraimenses a Administração Pública é a atividade econômica mais predominante.

Boa Vista é o único município que possui um PIB per capita acima da média estadual (R$ 15.326), seguido do Cantá (R$ 12.233), Iracema (R$ 11.378) e Mucajaí (R$ 11.114). Os municípios com menor PIB per capita são respectivamente, Uiramutã (R$ 6.734), Amajari (R$ 8.6627), Rorainópolis (R$ 8.722) e Caracaraí (R$ 8.882).

Dos 5.565 municípios brasileiros cerca de 1.968 (35,4%) deles tem sua economia dependente da administração pública, Dentre eles, está Uiramutã, onde a administração pública participa em 80% da economia do município.

Esses resultados são realizados em parceria com o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística com as Secretarias de Planejamento estaduais e Órgãos Estaduais de Estatística.

Mais uma cassação e um futuro nebuloso pela frente

By Luiz Valério →
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) decidiu ontem pela cassação do governador eleito em 2010, José de Anchieta Júnior (PSDB) e do vice Chico Rodrigues. O voto que definiu a cassação foi de Stélio Dener, membro do TRE que representa a classe dos advogados. Votou também pela cassação foi Erick Linhares, relator, e Jorge Fraxe, revisor. Optaram pela não cassação o juiz Paulo Cezar Dias de Menezes e o desembargador Alcir Gursen de Miranda. Os dois alegaram a ausência de provas nos autos que justificassem a cassação de Anchieta.

Tão logo saiu o resultado, os “neudistas” saíram às ruas para comemorar. Fogos, bandeiras, buzinaços, discursos inflamados na Praça do Centro Cívico compuseram o cenário da noite e madrugada. Mas é preciso de dizer que essa euforia poderá ter uma duração curtíssima. Por vários motivos. Um deles: ainda cabe recurso da decisão e o TSE pode reformar o que decidiu o TRE, assim como fez no processo anterior. Esta é uma possibilidade remota, mas existe. Outro: assim como Anchieta Júnior, Neudo Campos também responde representação eleitoral por prática de ilícitos na campanha de 2010. Ação essa também proposta pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), que defende a inaptidão de Neudo para ficar no governo.

Como já assinalei diversas vezes aqui neste espaço, a Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal (MPF-RR) defende a realização de uma nova eleição em Roraima. Essa defesa já foi feita publicamente em diversas entrevistas em programas de rádio, televisão e jornais impressos pelo então procurador regional eleitoral Ângelo Goulart Vilela. No mais, a folha corrida de Neudo Campos é como um boletim de estudante canastrão, que tenta enganar o professor e leva bomba no final. Está cheio de reprovações e notas vermelhas. Em nível nacional, Neudo Campos foi comparado a Paulo Maluf. Os dois políticos são tidos como as figuras políticas mais corruptas do país.

Não se pode negar que Neudo Campos goza de uma simpatia espantosa entre grande parcela da população. Em grande parte pela forma pouco ortodoxa como tratava as contratações públicas e a distribuição de recursos entre aqueles que faziam parte do seu time de simpatizantes. Estão aí os processos na justiça que não me deixam mentir. Neudo, mesmo sem ser cientista, conseguiu criar uma espécie nociva de gafanhotos “geneticamente modificados”, híbrido de gente e praga devoradora de folhas de pagamento. A história política está aí para comprovar. Uma breve consulta aos arquivos dos jornais locais, se esses arquivos não tiverem sido destruídos em nome das conveniências, estão aí para comprovar.

Mas o fato é que essa turbulência política porque passa Roraima está longe de acabar. Assistiremos a uma nova batalha jurídica em que Anchieta Júnior vai tentar se manter no poder. Por outro lado, ainda existem mais de duas dezenas de ações que também pedem a cassação do seu mandato tramitando do TRE. Como já assinalei, caso seja confirmada a cassação, os “neudistas” poderão experimentar o mesmo processo devido à pratica de ilícitos eleitorais, em ação encabeçada pelo Ministério Público Eleitoral. Aí, poderemos ter uma nova eleição, onde falta nomes de peso, verdadeiras lideranças para concorrer. Pelo menos lideranças com representatividade e lisura ética e moral para concorrer.

Muitos dos que salivam para entrar numa possível disputa pelo governo, ao olhar para trás se deparam com suas terríveis asas gafanhotescas que ficam, como fantasmas, a lembrar da rapinagem recente que fizeram aos cofres públicos. Como não se forja uma liderança de uma hora para outra, Roraima corre o risco de ficar à mercê de aventureiros, como tem acontecido há bastante tempo. Triste sina.

Gursen de Miranda lê seu voto

By Luiz Valério → terça-feira, 13 de dezembro de 2011
O desembargador Gursen de Miranda, que pediu vista dos autos na sessão passada, continua a ler seu voto também alegando a falta de provas para as acusações do Ministerio Publico Eleitoral (MPE) carecem de provas. Pelo andamento da leitura, poderemos ter mais um voto pela não cassação. Mas, repito, Gursen ainda faz a leitura.

Começa a semana que pode definir o futuro de Roraima

By Luiz Valério → segunda-feira, 12 de dezembro de 2011
Entramos numa semana de acontecimentos políticos importantes nos níveis micro e macro para o Estado de Roraima. Os membros das casas legislativas estadual e municipais devem se debruçar sobre as propostas orçamentárias do Estado e dos municípios roraimenses, com destaque para a capital Boa Vista. Mas é provável que as discussões sobre orçamento perdurem até o apagar das luzes deste mês de dezembro.

Outro assunto, certamente o mais interessante assunto da semana, é o julgamento da representação eleitoral proposta pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) contra o governador José de Anchieta (PSDB), agendado para a sexta-feira, 16. Depois de dois adiamentos em decorrência de pedidos de vista dos membros do Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o desfecho do julgamento deve acontecer finalmente na sexta-feira.

Imprevisível a decisão dos juízes eleitorais. Depois de ser o primeiro a pedir vista do processo, alegando desconhecimento do seu conteúdo, o juiz Paulo Cezar Dias de Menezes se pronunciou pela improcedência das alegações da representação e votou pela não cassação, deixando o placar em 2 votos a 1 pela cassação.

Paulo César disse categoricamente que, não obstante a lisura sempre apresentada pelo MPE em suas ações, essa representação contra o governador Anchieta carece de provas cabais de que as condutas vedadas alegadas pelo órgão ministerial foram, de fato, praticadas na eleição de 2010. Quais sejam: gasto exagerado na campanha e pagamento irregular de eleitores (em espécie), compra e distribuição supostamente irregular de 45 mil camisetas amarelas e contratação da empresa de guarda transporte de valores, TRANSVIG, para cuidar dos recursos da campanha.

Os argumentos do magistrado ensejaram o pedido de vista do desembargador Alcir Gursen de Miranda, que viu gravidade nas conclusões do colega toga sobre a falta de provas para todas as acusações e quis se debruçar mais detidamente na análise do conteúdo da representação. O importante é que, antes que se apaguem as luzes deste ano de 2011, essa questão seja resolvida e a população de Roraima saiba se terá um futuro tranqüilo ou sombrio. Aguardemos.

Um pouco mais sobre a sessão do TRE desta terça

By Luiz Valério → terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Juiz Paulo Cezar vota pela não cassação de Anchieta

By Luiz Valério →
Depois de um voto que durou quase uma hora, o juiz Paulo Cezar Dias de Menezes rejeita o pedido de cassação de mandato do governador Anchieta e do vice, Chico Rodrigues. Agora o placar esta em 2 votos a 1 pela cassação. Sessão foi suspensa por alguns minutos.

Juiz Paulo Cezar começa a ler seu relatório

By Luiz Valério →
Juiz Paulo Cezar Dias de Menezes, que pediu vista do processo, começa a ler seu relatório sobre a ação do MPE que pede a cassação do governador Anchieta Junior (PSDB). Resta lembrar que os juízes Erick Linhares (relator) e Jorge Fraxe (revisor) já se manifestaram pela cassação. Mais um adendo: juízes se mostram indignados com as afirmações do ministro Gilson Dipp, do TSE, segundo o qual os juízes federais se mostram mais preparados que os regionais.

TRE define composição do Pleno para a sessão

By Luiz Valério →
A presidente do TRE e os demais membros definem nesse instante a composição do Pleno: se fica o desembargador Alcir Gursen de Miranda ou retorna o também desembargador Mauro Campello. O juiz da classe dos advogados, Jorge Frexe, defende que Mauro Campello participe.

A presidente Tânia Vasconcelos pergunta ao desembargador Gursen se ele esta devidamente esclarecido para participar da sessão. Jorge Fraxe continua defendendo a presença de Mauro Campello. Gursen de Miranda ainda não se pronunciou.

Plenário do TRE ficando lotado

By Luiz Valério →
Aqui estou mais uma vez para acompanhar a sessão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O juiz Paulo Cezar Dias de Menezes deve devolver o processo contra o governador Anchieta em mesa hoje.

Na ação, o Ministerio Publico Eleitoral (MPE) acusa o governador Anchieta e o vice, Chico Rodrigues, de gastos exagerados na campanha, pagamento feito de forma irregular ao pessoal que trabalhou na campanha, aquisição igualmente irregular de 45 mil camisetas amarelas e contratação da empresa Transvig para guardar e transportar o dinheiro usado para pagar aos colaboradores e pessoas contratadas. Eis as acusações do MPE. Vou acompanhar daqui para ver o que vai acontecer. Vou continuar postando.

Vereador de Baliza antecipa resultado do julgamento do TRE sobre ação que pede cassação de Anchieta

By Luiz Valério → segunda-feira, 5 de dezembro de 2011
Mais uma vez estive visitando a região Sul de Roraima no último final de semana. Ouvi várias pessoas do povo e autoridades para matérias sobre os problemas das cidades daquela área do estado. Dentre as tantas coisas que ouvi, o que mais me chamou atenção foi a afirmação categórica, feita pelo presidente da Câmara Municipal de São João da Baliza, vereador Gideon Soares de Castro (PTB), de que o governador José de Anchieta (PSDB), vai ser cassado novamente pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por 6 votos a 1.

E não só isso. Gideon disse ainda que a cassação se dará na sessão de amanhã, terça-feira (6), e que Neudo Campos será empossado imediatamente na quarta-feira, às 9h da manhã, para não dar tempo Anchieta recorrer. “Pode esperar pra ver o que eu estou dizendo”, afirmou o presidente da Câmara de Baliza dizendo ter uma “fonte segura”. Agora, como ele sabe disso? Só perguntando aos orixás e à Mãe Dinah.

Nem é preciso dizer que o vereador Gideon Soares faz parte do grupo político do deputado estadual Mecias de Jesus e Neudo Campos (PP). Aliás, ele disse que mantém contato com os dois políticos o tempo inteiro e é assim que fica a par da situação. Eu fui conversar com Gideon sobre outro assunto relativo aos problemas administrativos de São João da Baliza. Terminada a entrevista, sem que eu perguntasse nada, ele passou a falar sobre o resultado da sessão que vai acontecer amanhã. Repito, numa certeza impressionante. Antecipando fatos e votos. Tudo bem que dois juízes eleitorais já manifestaram o voto pela cassação. Mas, daí a um vereador de Baliza saber do resultado da sessão, por antecipação, é curioso.

Vamos adiante. Em que se baseia Gideon Soares - ou quem lhe deu tal certeza – para fazer a antecipação categórica do resultado da sessão de amanhã? Segundo disse o parlamentar baliziense, os membros do Pleno do TRE teriam ficado revoltados com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de arquivar o processo de cassação do governador José de Anchieta, decidida em 11 de fevereiro deste ano. Ele disse que o argumento do ministro Arnaldo Versiane, alegando falha no processo pelo não arrolamento como parte da ação o radialista Mário César Balduino foi um acinte a Roraima. O vereador citou o desembargador Alcir Gursen de Miranda como um dos nomes mais indignados no TRE local.

O motivo da indignação de Gusen foi a afirmação do ministro Gilson Dipp, segundo o qual os magistrados da Justiça Federal têm uma posição mais isenta e preparada do que os juízes estaduais. Dipp fez tal afirmação durante o julgamento realizado no último dia 29, pelo Pleno do TSE, quando a Corte eleitoral superior decidiu, por 6 votos a 1, acolher o recurso ordinário proposto pela defesa do governador José de Anchieta e seu vice, Chico Rodrigues (Sem Partido) e declarou extinta a representação que cassou os mandatos.

Dipp se referia à defesa feita pelo juiz federal Helder Girão Barreto, quando do julgamento dos embargos que questionavam o pedido de cassação do governador Anchieta sob acusação de conduta vedada no uso da Rádio Difusora de Roraima nas eleições de 2010. Helder Girão foi quem primeiro levantou a tese de que o radialista Mário César deveria ter feito parte da ação desde o início, pois foi quem praticou a conduta vedada pela legislação eleitoral. O juiz federal foi voto vencido na Corte eleitoral regional. Mas foi seu voto que embasou a decisão da maioria dos ministros do TSE para extinguir o processo de casacão de Anchieta.

Gursen de Miranda ficou indignado com a afirmação do ministro Dipp. Daí que até pelo Sul do Estado se fala que os membros do Pleno do TRE pretenderiam dar uma resposta ao TSE com a cassação do governador no julgamento de mais essa ação. Isso segundo o vereador Gideon e seus gurus políticos.