Browsing "Older Posts"

Mantida prisão de ex-vereadora de Juazeiro do Norte acusada de lavagem de dinheiro

By Lucion Oliveira → quarta-feira, 25 de novembro de 2015
A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) negou, nessa terça-feira (24/11), habeas corpus para Mirantécia Rodrigues Castelo Branco Sampaio, ex-vereadora de Juazeiro do Norte acusada de peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro. A relatora do caso, desembargadora Maria Edna Martins, entendeu que não existe “ilegalidade na prisão cautelar da paciente [ré]”.
Para a desembargadora, “a gravidade concreta dos fatos certamente ampara a medida extrema para a garantia da ordem pública e da ordem econômica, evitando a continuidade das atividades delituosas”.
De acordo com denúncia do Ministério Público do Ceará (MP/CE), entre os anos de 2009 e 2012, a acusada teria atuado junto com outros agentes públicos em esquema que autorizava aumentos ilegais na remuneração de servidores do município. Além disso, teria efetivado vários empréstimos consignados fraudulentos.
Ainda segundo o MP/CE, a ex-vereadora disponibilizava contas bancárias em nome dela para o depósito de valores obtidos com os crimes. As operações ilícitas seriam comandadas pelo ex-presidente da Câmara Municipal, José Duarte Pereira Júnior, conhecido por “Zé de Amélia”, e teriam obtido aproximadamente R$ 3.300.000,00.
Por essa razão, em dezembro de 2014, o Juízo da 2ª Vara Criminal de Juazeiro do Norte decretou a prisão preventiva dela e dos outros envolvidos.
Requerendo acompanhar o processo em liberdade, a defesa de Mirantécia ingressou com habeas corpus (nº 0627252-62.2015.8.06.0000) no TJCE. Alegou que não existem elementos concretos para justificar a medida preventiva. Argumentou também ilegalidade da prisão, em virtude de ter sido decretada pelo magistrado de Primeiro Grau antes da instauração da ação penal. Sustentou ainda que ela tem condições pessoais favoráveis, como bons antecedentes e profissão lícita.
Ao julgar o caso, a 1ª Câmara Criminal negou o pedido, acompanhando o voto da relatora. A magistrada explicou que não há ilegalidade na medida, “pois a decisão foi proferida após oferecida a denúncia do Ministério Público, em absoluta conformidade com o artigo 311 do Código de Processo Penal”.
A desembargadora também destacou que a prisão está devidamente fundamentada, ficando evidenciada “as razões justificadoras da imprescindibilidade da medida, além de satisfazer os pressupostos a que refere o artigo 312 do CPB [Código de Processo Penal]”.
Em 12 de agosto deste ano, o ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), deixou conhecer habeas corpus impetrado pela defesa da ex-vereadora por deficiência na instrução, porque não foi juntada a documentação necessária para a análise do pedido.
TJ/CE



MPF e PF deflagram operação para combater fraudes em serviços de transporte no Ceará

By Lucion Oliveira → sexta-feira, 20 de novembro de 2015
O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal deflagraram, nesta quinta-feira, 19 de novembro, operação em Fortaleza, Juazeiro do Norte e em outras cinco cidades do Ceará para desarticular grupo investigado por fraudes em serviços de transporte em várias prefeituras do estado.
Durante a manhã, foram cumpridos mandados de prisão de quatro empresários alvos de investigações realizadas pelo MPF e PF, além de mandados de busca e apreensão, incluindo 17 carros de luxo que podem ter sido adquiridos com recursos obtidos com atos ilícitos.
Há indícios de que os empresários estejam envolvidos em crimes de corrupção, fraude em licitação e associação criminosa. De acordo com o procurador da República Rafael Rayol, os desvios de recursos públicos teriam ocorrido, principalmente, na contratação de transporte escolar e locação de carros por prefeituras municipais.
As cincos principais empresas investigadas pelas fraudes firmaram, entre 2010 e 2015, contratos com prefeituras cearenses que somam quase R$ 100 milhões. Vencendo licitações de forma fraudulenta, elas desviaram parte do dinheiro público em montante que ainda está sendo apurado pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal.
Durante a operação, além de Fortaleza e Juazeiro do Norte, foram cumpridos mandados judiciais em Lavras da Mangabeira, Cascavel, Aquiraz, Caucaia e Assaré - cidades onde ficam sedes de empresas investigadas.
Assessoria MPF

Presidente da Câmara do Crato esquece pauta-bomba e aguarda investigações sobre medicamentos

By Lucion Oliveira → terça-feira, 17 de novembro de 2015
A imprensa caririense marcou presença na sessão dessa segunda-feira da Câmara Municipal do Crato. O alvoroço deveu-se ao fato do presidente da casa, Pedro Alagoano, ter prometido uma pauta-bomba na sessão ordinária. Seria uma série de denúncias contra o executivo municipal. Tudo não passou do comezinho – falta disso, falta daquilo, providências devem ser tomadas e bate-boca entre gente da oposição e da situação. O presidente alegou ter sido orientado por advogados e pela polícia para ficar na dele enquanto ocorrem as investigações no Ministério Público e Polícia Civil.
Há oito dias foi declarada uma “guerra” entre Pedro Alagoano e o prefeito Ronaldo Gomes de Matos por conta das denúncias de distribuição à população de medicamentos com data de validade vencida no posto de saúde da Bela Vista. No dia da denúncia, o prefeito negou o fato, classificou de armação para atrapalhar a sua gestão e ainda fez queixa na Polícia Federal.
A ida do prefeito à polícia provocou uma série de depoimentos de servidores da pasta da Saúde na Delegacia de Polícia Civil. Também surgiu um vídeo nas redes sociais no qual o presidente aparece entregando algo a uma suposta servidora que horas antes teria prestado depoimento na polícia.
O caso dos medicamentos com data de validade vencida prossegue nesta quarta-feira com a realização de uma sessão extraordinária do legislativo ocasião em que serão ouvidos servidores do posto de saúde e o farmacêutico contratado pela Secretaria de Saúde.
É bom lembrar que o prefeito não tem mais maioria na casa e a sua bancada precisa melhorar os argumentos para combater os mais afoitos, além de tentar persuadir os dissidentes a voltarem para a situação. Caso isso não aconteça, o prefeito terá dias complicados pela frente.


Ministério Público exige do município de Barbalha suspensão da doação de imóvel público para casa de show

By Lucion Oliveira → segunda-feira, 16 de novembro de 2015
O Ministério Público do Estado do Ceará, através dos promotores de Justiça da Comarca de Barbalha André Luiz Simões Jácome, Francisco das Chagas da Silva e Klecyus Weyne de Oliveira Costa, enviaram Recomendação ao prefeito Municipal e à Câmara Municipal de Barbalha para suspender a doação de imóvel público com área de 8.076,46m², integrante de área institucional de loteamento, à empresa Yury do Paredão Empreendimento EIRELI-ME, para construção de uma casa de show.
O Município de Barbalha encaminhou o projeto de Lei nº 69/2015 à Câmara Municipal com o objetivo de desafetar o referido imóvel e autorizar a sua doação. Contudo, há vedação expressa à desafetação e a alienação de áreas institucionais, que devem ser destinadas a espaços públicos e outros equipamentos urbanos como escolas, creches, quadras esportivas, postos de saúde  e praças, garantindo condições mínimas de bem estar aos moradores do loteamento, na forma contida no art. 17 da Lei nº 6.766/79.
Além de não observar a vedação expressa em Lei, a Prefeitura de Barbalha sequer realizou licitação e avaliação do imóvel, gerando indícios de favorecimento à empresa a Yury do Paredão Empreendimento EIRELI-ME.
O Ministério Público expediu a Recomendação para suspensão da doação do imóvel e requisitou à Câmara Municipal uma série de documentos para averiguar outras doações já realizadas nos últimos cinco anos, que poderão ensejar o ajuizamento de ações civis pública de improbidade administrativa  e anulação dos atos, como também  a responsabilização dos agentes públicos envolvidos no âmbito criminal.

Assessoria de Imprensa

No Crato - Ronaldo pede socorro à polícia

By Lucion Oliveira → quinta-feira, 12 de novembro de 2015
Já vi gestor ir aos veículos de comunicação para tentar uma reaproximação com o povo em momentos difíceis de sua administração, mas confesso que nunca tinha visto um prefeito pedir socorro à polícia. Isso aconteceu na Princesa do Cariri. Na travessia de seu deserto político-administrativo, o prefeito do Crato, Ronaldo Gomes de Mattos, apelou e não foi pouco.
Depois de tomar conhecimento de denúncias de medicamentos vencidos em um posto de saúde da zona rural do município em que administra, o prefeito fez algo inusitado ao desembarcar no aeroporto de Juazeiro do Norte. Em vez de ir para casa descansar após um dia de trabalho e contatos na capital do estado, foi direto à Delegacia da Polícia Federal fazer um pedido de socorro porque não aguenta o que ele considera perseguição injusta. Só não disse de quem, mas que está enfrentando algo desleal.
A atitude de Ronaldo é um exemplo clássico de quem perdeu o trem da história, o comando do barco. No campo administrativo, inúmeras são as queixas da população e neste espaço já tivemos a oportunidade de falar das constantes mudanças de secretários. Algo em torno de trinta e três. Falamos que o entra e sai era por demais prejudicial à população cratense. O lado político também se revela como catastrófico com a debandada de quatro dos catorze vereadores que compunham a sua base na Câmara.
O que vem por aí é uma incógnita para o prefeito que precisa urgentemente baixar a guarda e reabrir o canal de diálogo com a câmara municipal, sob pena de enfrentar o ano mais complicado de sua conturbada administração. Se foi à polícia, é porque não sente mais o apoio da população, pois quem está de bem com o povo não toma uma atitude drástica como esta. O mais lamentável, porém, é que a fragilidade administrativa do Crato trará enormes prejuízos para a população. 

Carlos Levischi se envaidece por deixar Neudo inelegível

By Luiz Valério → quarta-feira, 11 de novembro de 2015
Levischi sobre o 'escândalo dos gafanhotos': “Daquela história toda, eu fiquei com a culpa e eles com o dinheiro”
Carlos Eduardo Levischi foi uma das peças-chave tanto no desenvolvimento e funcionamento do chamado “esquema dos gafanhotos” quanto no seu desbaratamento, pois ele foi um dos colaboradores da Polícia Federal ao entregar, no ano de 2003, todo o esquema de desvio de dinheiro público aqui em Roraima.

Pois bem. Desde ontem, Carlos Levischi tem estado lépido e fagueiro na Assembleia Legislativa de Roraima. Chega à Casa do Povo, senta-se na primeira fila, de frente para a presidência da mesa-diretora, e fica lá conversando com conhecidos, sempre de olho nos deputados.

Ontem, quando eu chegava à Assembleia Legislativa, Levischi já estava de saída. Mas ele me olhou meio desconfiado, depois saiu e foi embora. Eu confesso que tive dúvidas se era ele mesmo ou não. Afinal, Carlos Levischi está mais magro, abatido, envelhecido. Hoje, ao chegar à sede do Poder Legislativo, lá estava ele novamente. A presença de Levischi de forma repetida na Assembleia me chamou a atenção.

Logo, busquei uma forma de me aproximar para conversar. De pronto, perguntei a Levischi sobre o que ele fazia em Roraima. Ele me contou que veio ao estado para participar de audiências públicas ainda relacionadas com o “esquema dos gafanhotos”. Levischi, como já fez outras vezes, voltou a afirmar que o rumoroso esquema de corrupção acabou com a sua vida. “Faz um ano que estou sem conseguir trabalho”, disse-me ele. “Minha reputação ficou completamente prejudicada”, completou.

Em meio à nossa abreve conversa, Carlos Levischi comentou a situação política de Roraima. Observou que entra governo e sai governo e nada muda. Lembrou ainda das eleições passadas, quando deu um depoimento contra Neudo Campos (PP) para ajudar na campanha de Chico Rodrigues (PSDB), então candidato ao governo. Mas lamentou que de nada tenha adiantado. “Suely não ganhou a eleição. Foi Chico Rodrigues que perdeu para ele mesmo”, comentou o enigmático Levischi.

Carlos Levischi parece não se sentir culpado por sua participação no “esquema gafanhotos”. Lamenta que somente ele hoje esteja na pior. Citou a situação de Jalser, um dos envolvidos no esquema e que hoje preside a Assembleia Legislativa. “Daquela história toda, eu fiquei com a culpa e eles com o dinheiro”, comentou. O ex-diretor presidente do extinto Departamento de Estradas e Rodagens de Roraima (DERR) parece guardar uma única satisfação que deixou escapar nesta frase: “Eu fui a única pessoa capaz de deixar Neudo Campos inelegível”. Sua fala exala satisfação. Ele perece guardar mágoa por ter sido abandonado à própria sorte.



Perguntei a Carlos Levischi onde ele está morando. Ele não respondeu. Afirmou que, além de participar das audiências na justiça aqui em Roraima, estava visitando amigos. Depois vai embora. Pedi para tirar uma foto sua. Ele concordou, de pronto sem pôr nenhum obstáculo. Eu não preciso dizer, mas Calos Levischi ainda é um arquivo vivo. E ele sabe disso.

Deputado quer obrigatoriedade de curso superior para ingresso na PM de Roraima

By Luiz Valério → terça-feira, 10 de novembro de 2015
O deputado Mecias de Jesus defende a obrigatoriedade do curso superior para ingresso nas polícias Civil, Militar e Bombeiros

O triplo homicídio cometido pelo polícia militar Felipe Quadros, na segunda-feira (9), repercutiu na Assembleia Legislativa, na manhã desta terça-feira (10). O deputado Soldado Sampaio (PC do B) disse que existe uma cultura arraigada entre os policiais militares de resistirem a procurar acompanhamento psicológico e psiquiátrico.

Sampaio ressaltou que policiais militares são pessoas como quaisquer outras que também sofrem desgaste quando submetidos ao stress e à pressão constante, que são inerentes à atividade, e que, por isso, precisam de acompanhamento psicológico.

O parlamentar disse que existe uma lei aprovada em legislatura passada, de autoria da então deputada Marília Pinto, que obriga os policiais militares a passarem por um exame psicológico periódico, mas que essa lei nunca foi cumprida.

Por sua vez, o deputado Mecias de Jesus (PRB) também abordou o assunto e disse que é preciso que haja um filtro mais rigoroso no processo de seleção para ingresso tanto na Polícia Militar, quanto na Polícia Civil e no Corpo de Bombeiros. Mecias afirmou ser necessário também que a Corregedoria dessas instituições seja mais rigorosa na punição daqueles policiais que cometem desvios.

“Eu acho que a Corregedoria da Polícia Militar, da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros precisam ser mais enérgicas para apurar os problemas que envolvam policias para punir os culpados. Essas corporações devem ter um acompanhamento psicológico obrigatório para todos os policiais militares e civis porque tem policial que não quer passar por esse acompanhamento”, disse o parlamentar.

Mecias de Jesus anunciou que vai apresentar um projeto de lei, instituindo a obrigatoriedade de curso de nível superior para os candidatos que queiram ingressar nas corporações que fazem a segurança dos roraimenses. Ele acredita que essa exigência funcionará como um filtro capaz de afastar pessoas desqualificadas para a atividade policial.

“Eu estou propondo na Assembleia um projeto de lei propondo que para o ingresso na Polícia Militar, na Polícia Civil e no Corpo de Bombeiros seja obrigatório ter pelo menos um curso de nível superior. Essa exigência funcionará como um filtro, evitando que malandros que não querem estudar não possam entrar na polícia. A polícia é a instituição que cuida da segurança da sociedade e nela não pode entrar qualquer um sem o devido preparo”, afirmou.

O parlamentar disse acreditar que sua proposta será bem recepcionada pelos colegas deputados e será aprovada pela casa, apesar de que possa haver algum posicionamento contrário em relação ao projeto a ser apresentado por ele.

MPF abre inquérito para investigar terceirização de hospital em Juazeiro do Norte

By Lucion Oliveira → segunda-feira, 9 de novembro de 2015
O Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) instaurou inquérito civil público para investigar o processo de terceirização do Hospital Municipal São Lucas de Juazeiro do Norte (CE).
A instauração do inquérito foi determinada pelo procurador da República Celso Leal em portaria assinada na última quinta-feira, 5 de novembro. De acordo com o procurador, o modelo de licitação proposto pela prefeitura resultará em custo excessivo à Secretaria de Saúde do município. O valor será superior a R$ 2,4 milhões mensais.
O edital de licitação prevê a contratação de entidade de direito privado sem fins lucrativos, qualificada como organização social, para a gestão, operacionalização e execução dos serviços da unidade. Resolução nº 006/2015 do Conselho Municipal de Saúde de Juazeiro do Norte decidiu não acatar a proposta de terceirização.
Celso Leal defende que é preciso apurar os fatos relacionados à terceirização, especificamente sobre a adequação da proposta ao plano de trabalho imposto à Secretaria de Saúde. Para instruir a investigação, o MPF expedirá ofício à secretaria e à prefeitura para que prestem esclarecimentos quanto aos impactos financeiros, motivos e fundamentações do processo de transferência para terceiros da gestão do hospital, entre outros questionamentos.
O plano de trabalho foi apresentado em julho audiência judicial pelo Ministério Público Federal e doutora em Saúde Pública e auditora judicial Ângela de Oliveira Carneiro. O documento, com 44 páginas, aponta propostas de solução para diferentes problemas na saúde que foram identificados na auditoria, em seminário realizado para discutir serviços do setor e durante a intervenção no setor que durou quase dois meses.
A cidade de Juazeiro do Norte sofreu intervenção na área da Saúde em função de ação movida pelo MPF e a prefeitura não está cumprindo o plano de trabalho proposto elaborado com base em auditoria judicial.
Foto: blog do Juazeiro
Assessoria MPF

Morre Beni Veras – um dos idealizadores do Projeto das Mudanças no Ceará

By Lucion Oliveira → sexta-feira, 6 de novembro de 2015
O ex-governador do Ceará, Beni Veras, morreu nesta manhã em Fortaleza. Ele tinha 80 anos. O empresário Benedito Clayton Veras Alcântara também foi senador e ministro do Planejamento, Orçamento e Coordenação do Governo Itamar Franco no período de gestação do Plano Real.
Um dos fundadores do PSDB cearense, Beni foi vice do governador Tasso Jereissati e assumiu o comando do Governo do Estado em 2002, com a renúncia de Tasso para disputar o Senado Federal.
Anteriormente, nos anos 1990, foi eleito senador da República pelo PSDB. Ele nasceu em 18 de agosto de 1935 no município de Crateús.

Dança das cadeiras no governo se concretiza nesta sexta-feira

By Luiz Valério →
Nesta sexta-feira a governadora Suely empossa os novos integrantes do seu governo. É a concretização da dança das cadeiras
Como antecipado aqui neste espaço há alguns dias, nesta sexta-feira (6) a governadora Suely Campos (PP) dará posse aos novos integrantes do primeiro e segundo escalões da sua administração. A jornalista Cida Lacerda vai ser empossada como secretária de Comunicação no lugar de Ivo Galindo, que vai para a presidência da Rádio Difusora Roraima.

Além da mudança na comunicação, Suely mexerá em outros quatro cargos do seu secretariado. A solenidade de posse dos novos integrantes do governo será realizada no Salão Nobre do Palácio Senador Hélio Campos, às 15 horas.

O comando-geral da Polícia Militar, por exemplo, será entregue ao coronel Dagoberto da Silva Gonçalves. Depois de três semanas da exoneração de Juscelino Pereira da direção do Detran, quem vai assumir o cargo é Luiz Eduardo Silva de Castilho, que estava no cargo de secretário-adjunto da Segurança Pública. E, na Sesp, o delegado Maique Evelin Longo Pereira, assume como secretário-adjunto na vaga deixada por Luiz Castilho.

Conforme os esclarecimentos do governo, essas mudanças fazem parte de ajustes de rotina para otimizar a administração pública. O objetivo seria a melhoria da prestação dos serviços à população. No entanto, pelos bastidores correm informações que essa mudança tem o DNA de Neudo Campos que escolheu ele os nomes que passam a integrar (ou continuam) o governo.

A ida de Ivo Galindo para a Rádio Roraima e a escolha de Cida Lacerda para seu lugar na Comunicação, por exemplo, têm o DNA político de Neudo Campos. Se dependesse de Suely era possível que Galindo não permanecesse no governo, mas Neudo vê nele um seguidor fiel, que esteve do lado do grupo nos momentos mais difíceis e por isso o segurou no governo. Cida Lacerda também foi escolha pessoal de Neudo.

As especulações agora é se virão ou não mais mudanças por aí no governo. Caso a aproximação dos deputados do G14 com o governo se acentuar, é possível que haja, sim, mais mudanças, porque os deputados não vendem barato seu apoio. E a barganha sempre passa pela distribuição de cargos. E, como se sabe, essa aproximação com o “grupão” é comandada por Neudo que é negociador político tarimbado e sabe como seduzir os adversários e convencê-los a aderir ao governo.

Agora é aguardar para vermos os próximos lances desse jogo de xadrez político.

Leia mais sobre política no Blog do Luiz Valério

Câmara contesta decisão da justiça sobre suspensão de verba indenizatória

By Luiz Valério → quinta-feira, 5 de novembro de 2015
Em nota, o presidente da Câmara de Boa Vista, Edilberto Veras, disse que os ganhos dos vereadores da capital roraimense estão dentro da legalidade
Finalmente a presidência da Câmara Municipal de Boa Vista se pronunciou sobre a decisão da justiça de determinar a suspensão do pagamento das verbas indenizatórias e de gabinete dos 21 vereadores da nossa capital. Em nota enviada à imprensa a mesa-diretora da Casa diz que o Poder Legislativo Municipal dota “o padrão de gestão do Legislativo Brasileiro e que atua dentro do princípio da legalidade e em respeito à Constituição Brasileira”.

As explicações contidas na nota de esclarecimento rebatem as informações usadas pelo Ministério Público para pedir a suspensão da verba indenizatória e afirma que “desde o mês de Janeiro de 2013 os vereadores de Boa Vista recebem como subsídio R$10.012,50”. Segundo a nota, que foi escrita sob q orientação da Procuradoria Jurídica da Câmara Municipal, esse valor “está abaixo do percentual autorizado pela Constituição Federal que é de 60% do subsídio do deputado estadual”.

Os esclarecimentos prestados pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Edilberto Veras (PP), por meio da nota dizem ainda que a gratificação por Retribuição de Acumulação de Função Legislativa Superior foi revogada por meio da Resolução 196/2015, ainda em Abril de 2015. Segundo ele, não é “verdadeira a afirmação de que seu valor foi fixado em Nove mil reais”.

A nota à imprensa expedida pela mesa-diretora da Câmara Municipal afirma ainda que o Poder Legislativo da nossa capital segue o que é praticado pelo Congresso Nacional, as Assembleias Legislativas Estaduais e demais Câmara Municipais que prevê a instituição das verbas de gabinete e indenizatória. Com essas justificativas, os vereadores tentam reaver o benefício da verba indenizatória, que foi suspenso pela justiça.

“Mais importante esclarecer que a verba de gabinete, hoje limita a R$ 20 mil, é amparada por normas que seguem resoluções legislativas e sua contratação segue os trâmites legais e modelos como ocorrem no Senado Federal, Câmara Federal, Assembleias Legislativas e demais Câmaras Municipais de todo o Brasil, não tendo o parlamentar acesso ao salário de seus servidores em momento algum”.

A nota diz também que a verba indenizatória está limitada a R$ 14 mil desde de Maio de 2015 é utilizada para pagamento de todas as despesas inerentes a atividade parlamentar. Por fim, Edilberto Veras afirma que foi notificado da decisão da justiça de suspender o pagamento da verba indenizatória somente no dia de ontem, após a realização da sessão plenária e a Mesa Diretora está analisando o teor da decisão para tomar as medidas cabíveis.

COMENTÁRIO DO EDITOR
Pelo teor da nota de esclarecimento, os vereadores não estão dispostos a abrir mão das regalias financeiras e, certamente, vão recorrer da decisão da justiça. Se formos levar em conta o custo benefício do atual Poder Legislativo da nossa capital, é possível afirmar que os vereadores custam muito caro ao erário pela qualidade da sua atuação e pelo que produzem para a sociedade. O salário de R$ 11 mil já estaria de bom tamanho para que a maioria deles exerçam a função da forma como fazem, com desrespeito uns aos outros e aos munícipes. Pelo menos é o que vemos nas sessões da Câmara de Boa Vista.

Greve na saúde com os dias contados?

By Lucion Oliveira → terça-feira, 3 de novembro de 2015
A greve histórica de Barbalha dá sinais de que poderá chegar ao fim. São mais de 200 dias em que os profissionais da saúde estão de braços cruzados. Eles reivindicam o básico para que possam oferecer o “básico” à população.
Neste final de semana, uma luz surgiu no fim do túnel, após aliados do prefeito José Leite (PT) comentarem que a situação está insuportável e dizerem que cabe aquele uma solução para o gravíssimo problema. Alguns afirmam que Zé Leite deverá convidar os grevistas para sentarem à mesa e buscarem meios para um basta nesta situação.
Zé Leite é assim. Não gosta de dialogar com grevistas e adota o silêncio quando procurado pela imprensa. No começo de junho, quando ainda apresentava um programa jornalístico no Cariri, o companheiro Adriano Duarte conseguiu um feito qual seja ouvir Zé Leite sobre o assunto. O prefeito, porém, foi duro com a categoria da saúde e disse que o pessoal devia cumprir a carga horária de trabalho a exemplo dele e dos garis. A declaração do gestor pegou mal e só complicou o relacionamento com os trabalhadores.

Agora, detendo o título de maior greve da história, fala-se que Zé Leite quer dialogar. Antes tarde do que nunca, mas o que se lamenta é o fato dos órgãos fiscalizadores terem ficado inertes, assistindo uma população desassistida numa área tão crítica como é a saúde.