Mesmo no caos a saída é na política

By Lucion Oliveira domingo, 28 de agosto de 2016
O caos para uma nova ordem, fim da transição do processo democrático brasileiro, os atores e agentes públicos se atiraram na mesma vala, o povo e seus emissários submergiram na falência das suas aspirações, flagrante carência de representatividade; um período de pós-consumo; resta-nos, agora, catalépticos em senso comum, um estado letal, muito mais desprovido de assertivas criticas do que os alienados do capital esmagador no domínio Norte Americano nas Américas Central e Latina, durante os regimes totalitários das décadas de 60 a 80 do século passado. Mais danoso do que a explosão neoliberal que tentou tirar o controle politico e social das nações entregando à volatilidade financeira e a transnaciolização do capital. O Estado e o povo destituídos de ascensão e faculdade.
Transpira pela mídia a perda da moral e da referencia dos conceitos de valores, adoecidos por atos historicamente reiterados de poder, dominação e dinheiro, as leis não nos agasalham com segurança, a segurança posta a xeque em todas as direções, desde o martírio de jovens negros, gays, mulheres, adolescentes lançados à fatalidade das drogas e da bestialização do entretenimento, carregado de um cavo cultural e artístico ao esvaziamento dos cofres públicos dos solos do mar às copas das árvores, da moradia ao esparadrapo, da folha de papel às sondas petrolíferas da negociata por cargos às chantagens politiqueiras, e o honesto cidadão que sonega, estaciona a faixa de pedestre, fura filas em hospitais, além das fortes e armadas corporações marginais com núcleos muitas vezes nas esferas policiais.
As artimanhas das cúpulas esmerando postos por todas e quaisquer sortes e vias. A mídia em todas as dimensões e grandeza, intrinsicamente ligada aos mesmos agentes e grupos numa guerra de tanques e caças contra os estilingues das ruas, reféns e algemadas por discursos, sofismas e factoides de todos os lados e bandas. Manchetes são cada vez mais valiosas, a busca e a investigação seja em que ordem for, passou a ter crivo se pertencer a operações e fases, mesmo que milionários sejam indiciados ou detidos com seus ilustres e caros advogados e dilações, enquanto viciados são expostos nas páginas e blogs, com seus nomes e identidades invadidas.
Estamos cada vez mais conectados, as pessoas se encontram mais facilmente em emulação do que em conversas e debates; dialéticos embates quase não ocorrem nem mesmo em mesa de bar. Os aplicativos e grupos numa mundialização de prazeres e pouca humanização, retratam o que inspiram as redes sociais, que se misturam ao fundamentalismo, a xenofobismo, homofobia, vendas e consumos autoafirmação do prato que comeu ou o tamanho do espelho, até mesmo como agenda do dia-a-dia. E por vezes “paixões”. A democratização da felicidade em pequenos posts...
Uma polissemia de partidos que mais parecem sopinhas de letras e “Ps”, retratam, Brasília, Brasil, Cariri, Crato; parecem diferentes, mas, não é mera coincidência, a letargia no processo de saídas reais para uma nova era ainda campeia pelo caos. Há uma luz no fundo do universo, sobretudo, na causa e efeito, após a bagunça uma nova ordem. Às portas das eleições municipais, o país sem presidência, com um congresso amorfo e um judiciário aquartelado, sob o olhar e imposição midiática. A inversão da autoridade jurídica, rompendo ganhos imprescindíveis para o futuro da pátria: o resguardo total e irrestrito da Carta Magna.
O único pensamento, hoje, em nossa sociedade, politicamente falando, o normativo é o roubo, Então, como pensar tal sociedade sem esse pensamento e poder ter a cura a essa patologia, normatizando novas conveniências? A sociedade pôs-se em coma para abstrair a sua responsabilidade pela doença social e politica, um misto de inercia e hipocrisia.
Mas, há saída, e, está na politica, novos líderes devem ser constituídos, uma oportunidade para as políticas públicas, para o povo que precisa se reinventar a cada dia... Não somos mais o cratinho de açúcar, nem a terra do futebol e do samba, somos uma nação de pessoas que precisa fazer valer sua identidade, tomando para si a responsabilidade de ver sua gente capaz de enfrentar as adversidades de cabeça erguida e cidadania plena. É na politica e na consolidação democrática que o novo pode surgir, compreendendo, e, sem desprezar o caos como referência reflexiva, assim sem incorporar a Phoenix lançar mão de originais e bons líderes, reafirmando que somos sim; capazes de nos enxergarmos um no outro.
Sergio Ribeiro Bastos
Professor


Luiz Valério

Sou Jornalista e blogueiro. Há 20 anos cubro o mundo político, boa parte desse tempo escrevendo em blogs na Web. Moro em Roraima há 15 anos. Já desenvolvi vários projetos na área do jornalismo. Apaixonado por tecnologia, tenho especialização na Área. Agora nos encontramos por aqui.

No Comment to " Mesmo no caos a saída é na política "

Obrigado por comentar aqui no blog
Os comentários neste blog são livres, sem moderação.
Aviso, no entanto, que ofensas, palavrões ou quaisquer expressões racistas ou discriminatórias serão apagadas sumariamente.
Para quem comentar com responsabilidade, este espaço estará sempre aberto. Críticas e sugestões para o autor serão bem-vindas.

OBS: Os comentários dos leitores não refletem necessariamente a opinião do autor do blog.